Médicos de Romana Novais explicam CIVD, causa do parto prematuro de Raika: “Gravíssimo e mortal”

Alok publicou nas redes sociais um alerta sobre os riscos da Covid-19 para as gestantes

Resumo da Notícia

  • Alok usou as redes sociais nesta segunda-feira para fazer um alerta aos seguidores
  • O DJ publicou um vídeo com o depoimento dos médicos de Romana Novais sobre o parto antecipado
  • Os profissionais falaram sobre os perigos da Covid-19 nas gestantes

Após o nascimento prematuro da filha no último dia 3, Alok usou as redes sociais nesta segunda-feira para fazer um alerta aos seguidores. O DJ publicou um vídeo com o depoimento dos médicos de Romana Novais sobre o parto antecipado e os perigos da Covid-19 nas gestantes.

-Publicidade-
(Foto: Reprodução / Instagram / @romananovais)

A obstetra de Romana, Erica Mantelli, contou que a esposa de Alok estava com um quadro leve de coronavírus no começo. “Quando a Romana contraiu a Covid ela estava apenas com dor no corpo e febre leve. No segundo dia ela estava super bem, apenas sonolenta. Naquela noite ela teve algumas dores abdominais e me ligou achando que era decorrente de diarréia. Eu pedi que ela fosse à minha clínica e chegando lá ela parecia melhor, não estava com contração”, iniciou a profissional.

Rapidamente a situação mudou. A médica explica que as duas tinham acabado de fazer um ultrassom quando Romana começou a ter uma hemorragia vaginal intensa. “Depois disso eu vi que ela já estava com 7 cm de dilatação, o colo extremamente fino e a Raika lá embaixo”, explica Erica. A médica optou por levar Romana para o hospital no mesmo momento dentro do próprio carro. “Fomos juntas e ela estava perdendo muito sangue, era extremamente grave. Chegamos no centro cirúrgico e o parto aconteceu em poucos minutos, um parto natural e espontâneo”, conta.

-Publicidade-
(Foto: Reprodução / Instagram / @romananovais)

Após uma série de exames, a obstetra e o marido, Domingos Mantelli, que também é médico de Romana, detectaram que a mãe de Ravi sofreu com quadro de trombose na placenta, o que ocasionou no descolamento prematuro do órgão. “Ela também desenvolveu um distúrbio metabólico e uma síndrome chamada CIVD, caracterizada pela ativação sistêmica da coagulação sanguínea. Uma quadro gravíssimo com alta taxa de mortalidade”, alerta o obstetra.

Segundo o casal, Romana permaneceu na UTI por três dias antes de se recuperar. Os dois chamaram a atenção para a gravidade do caso mesmo com a boa saúde da modelo. “Espero que esse vídeo chegue ao máximo de pessoas possíveis e possa salvar vidas”, escreveu Alok na legenda da publicação.

Romana Novais relata parto prematuro

Neste último domingo, 06 de dezembro, Romana Novais, usou o Instagram para fazer um relato sobre o parto que ocorreu na última semana, quando deu à luz de forma prematura a filha Raika, que nasceu com 32 semanas de gestação, fruto do relacionamento com DJ Alok, com quem também tem Ravi, de dez meses.

(Foto: Reprodução / Instagram @romananovais)

Nos Stories, ela deu detalhes do processo, contando que chegou a correr risco de vida durante o parto, que teve que acontecer de emergência após ela ter fortes sangramentos. “Tudo começou na semana passada, fui tomar uma vacina que a gestante precisa fazer, tive um pouco de reação tive dor no corpo achei que era só por causa da vacina. Não achei que fosse alguma outra coisa. Além disso também estava com dor local na vacina então acreditei mesmo que fosse isso”, começou.

Romana ainda diz que as dores ficaram mais intensas. “A dor no corpo começou a ficar mais intensa e me incomodar muito. Fiz o teste do Covid, ficamos em isolamento em casa nos cuidando, as dores pioraram. Sentia muita dor no corpo, pareciam que meus ossos tinham quebrado”, continuou.

(Foto: Reprodução / Instagram @romananovais)

A influencer seguiu contando que quando Raika nasceu, começou a sentir contrações e foi até médico para a realização de exames – que aparentavam estar normais – começou a ter um sangramento intenso. “A gente correu para o hospital sem pensar muito. Já passaram o acesso em mim na clínica mesmo e foram de carro. Só pensava que tinha que salvar minha filha, queria resolver tudo logo. Cheguei no hospital com muito medo. Ela nasceu muito rápido, eu não estava esperando. Nem esperava que eu fosse conseguir fazer um parto natural, estava com muita dor, mas ela precisava sair”, disse.

Romana, disse ter tido uma complicação rara chamada CIDV (coagulação intravascular disseminada). “O quadro se estendeu pelo meu corpo e estava correndo risco de vida, foi uma situação muito complicada. Graças a Deus estou viva”, contou.