Gravidez

Mulher que tem dois úteros e duas vaginas conta sobre luta para conseguir engravidar

Nicola Guinness nasceu com uma anormalidade que divide todos os seus órgãos reprodutores

Letícia Vaneli

Letícia Vaneli ,filha de Alcides e Eugênia

(Foto: Reprodução/The Daily Mail)

Nicola Guinness viu seu sonho de engravidar ir por água abaixo quando descobriu que nasceu com uma anormalidade. A moradora de Essex, no Reino Unido, nasceu com dois úteros, colo do útero e vaginas e os médicos afirmaram que ela não seria capaz de gerar uma criança.

Desde os 18 anos, Nicole tenta engravidar e, em entrevista para o jornal britânico The Daily Maile, em entrevista para o jornal britânico The Daily Mail, revelou que ao longo da vida sofreu 6 abortos espontâneos. “Toda vez que engravidava, chegava a apenas quatro semanas e depois abortava toda vez. Fiquei com o coração partido e tão deprimida que me lembro de ficar sentado e chorar por horas, me perguntando por que isso estava acontecendo comigo”, relembrou.

A mãe realizou uma cirurgia que removia a membrana que separava o útero em dois (Foto: Reprodução/The Daily Mail)

A cirurgia para resolver o seu problema poderia torná-la infértil e, por isso, todos os médicos se recusavam a realizar o procedimento. Porém, depois de muitas decepções, a família finalmente encontrou alguém que pudesse ajudá-los. A equipe médica do hospital Ipswich realizou um precedimento que removeria a pele que dividia o seu útero em dois.

Apenas 2 meses após a cirurgia, Guinness e o esposo descobriram que estão esperando pelo primeiro filho! E como a futura mãe ainda tem uma membrana que separa o colo do útero e o canal vagina, dessa forma, ela não poderá dar à luz de forma natural. Assim, Reggie está previsto para nascer em fevereiro via cesárea.

Útero Septado

A mãe percebeu que era diferente quando chegava o seu período menstrual e meses usando o absorvente interno, ela permanecia sangrando, que escapava do seu segundo canal vaginal. A condição também é conhecida como “útero duplo” e ocorre quando as tubas uterinas não estão completamente conectadas e acabam se tornando independentes.

(Foto: Reprodução/The Daily Mail)

A deformidade dificulta a gravidez, porque o bebê provavelmente não se beneficia do oxigênio de forma apropriada. “Dois anos atrás recebi uma carta dos meus médicos dizendo que realmente tinha septo uterino completo e que nunca seria capaz de carregar um bebê“, revelou Guinnes sobre quando descobriu que nasceu com a condição.

“Nunca desisti e estou tão feliz por continuar lutando para fazer a cirurgia, porque, se não tivesse, talvez nunca tivesse chegado tão longe. Ele é o nosso pequeno milagre”, finalizou.

Leia também:

Mulher é cobaia de pesquisa e realiza sonho de ser mãe depois de sofrer 12 abortos

Após 5 anos tentando, casal vende tudo que tinha e gasta R$130 mil em fertilizações

Pesquisadores desenvolvem útero artificial e aumentam as chances de sobrevivência em prematuros