“Não gosto de estar grávida”: entenda por que isso não é um problema e acontece mais do que você imagina

Você não precisa amar os hormônios e as mudanças no corpo para ficar animada com o bebê que está se desenvolvendo dentro de você. Não existe vergonha em ser honesta sobre a realidade da gravidez – vamos normalizar esse tipo de conversa

Resumo da Notícia

  • Estar grávida e poder gerar uma vida é realmente algo incrível e para se sentir grata
  • Mas nem todas as mudanças físicas (e hormonais!) são tranquilas - e tudo bem
  • Algumas mulheres compartilharam os sentimentos sobre não gostarem de estarem grávidas e acreditam que esse tipo de conversa precisa ser normalizada

“Vou deixar uma coisa bem clara logo de cara: sou grata por estar grávida. Criar outro ser humano é um milagre absoluto, e todos os dias fico surpresa com o que meu corpo é capaz. Mal posso esperar para conhecer meu filho em apenas algumas semanas, e muitas vezes olho para minha barriga crescendo com lágrimas nos olhos, pensando no que está por vir. Mas, ao mesmo tempo, não posso dizer que estou gostando muito da experiência de estar grávida”, diz Laura Fisher, redatora da americana Parents. “Eu estava pronta para aceitar alguns enjoos matinais do início e desconforto no final, mas existem muitos elementos de estar grávida que têm sido surpreendentes e desagradáveis”.

-Publicidade-

Laura fez o desabafo sincero, mesmo sabendo que em relação às amigas dela, teve uma gestação considerada fácil. “Lidei com mudanças hormonais no meu primeiro trimestre que me tornaram incapaz de reconhecer minha própria personalidade e fadiga durante toda a minha gravidez que tornou impossível passar o dia de trabalho sem um cochilo”, diz. E isso não significa ser insensível com quem está enfrentando problemas de fertilidade. “À medida que minha gravidez foi progredindo, muitas das minhas conversas com amigos giraram em torno do fato de que muitas pessoas – apesar de quererem ter filhos e se sentirem sortudas por poder ter um filho – na verdade odeiam a experiência de estar grávida”.

Embora pareça ser um sentimento bastante comum, o que também surgiu foi o sentimento de grande culpa, julgamento e vergonha por não amar a gravidez, e medo de falar abertamente sobre isso, segundo ela. Por isso, é hora de normalizar a conversa sobre não gostar de gravidez e permitir um papo aberto sobre os desafios e a alegria que surgem com a criação de uma nova vida.

Durante a gravidez, nem todas as mudanças físicas (e hormonais!) são tranquilas - e tudo bem não gostar delas
Durante a gravidez, nem todas as mudanças físicas (e hormonais!) são tranquilas – e tudo bem não gostar delas (Foto: Getty Images)

As mudanças físicas inesperadas da gravidez

Para muitas pessoas com quem Laura conversou, o simples desconforto da gravidez foi o suficiente para mantê-las em um cenário único. “Entre me sentir extremamente doente todos os dias até a 20ª semana, e as dores nas costas que tomaram conta do resto da minha gravidez, eu basicamente fiquei presa em casa durante toda a minha gestação”, diz Celia S., de 40 anos mãe de uma criança de 2 anos.

Já para Laura, o terceiro trimestre foi o mais impactante. “Fiquei chocada quando senti como se tivesse uma bola de boliche enfiada no topo do meu colo do útero e acordasse com ressaca todas as manhãs, apesar de sobreviver sem água gelada e chá de ervas. De repente, meus planos de me exercitar e fazer caminhadas até minha data prevista de parto foram jogados fora, e eu me vi no sofá pedindo recomendações de amigos do que assistir na Netflix”.

Mesmo sabendo que gerar uma vida não seria uma experiência sem dor, as mudanças físicas esperadas da gravidez ainda são de alguma forma surpreendentes quando estão acontecendo em seu próprio corpo. E essa teoria pode realmente se confirmar se você tiver qualquer uma das inúmeras coisas inesperadas que podem acontecer. Por exemplo, Laura não tinha ideia de que desenvolver calos nos pés é um sintoma relativamente comum de gravidez até que uma amiga – morrendo de vergonha – contou pra ela durante um papo no telefone. “Isso sem falar sobre sangramento nas gengivas e sangramento no nariz diário. Vale a pena a troca? Sim. Desagradável? Sim também”, ela diz bem humorada.

Falsas expectativas da gravidez

Como em muitas coisas na vida, às vezes é a expectativa de como será a gravidez em comparação com a realidade que torna a experiência mais chocante. Quando questionada sobre como achava que seria a gravidez, Naomi L., 42, disse: “Lembra daquela capa que Demi Moore fez para a Vanity Fair? Isso basicamente resume tudo. Sexy, a deusa da mãe terra comendo grama de trigo e cantando ao som do gongo da eterna presença feminina. Onde devo comprar lingerie para gravidez?”.

No entanto, apesar do retrato social da figura materna “brilhante”, para muitas mulheres, a gravidez provoca acne, melasma, pelos corporais, odores e problemas gastrointestinais. Então, como a realidade de Naomi se compara com suas expectativas de Demi Moore? “Eu estava com muito calor, quase o tempo todo. Eu ficava sem fôlego na maior parte do tempo”, diz ela. “Além disso, eu tive que me esforçar como nunca só para conseguir subir as escadas”.

Algumas mulheres compartilharam os sentimentos sobre não gostarem de estarem grávidas e acreditam que esse tipo de conversa precisa ser normalizada
Algumas mulheres compartilharam os sentimentos sobre não gostarem de estarem grávidas e acreditam que esse tipo de conversa precisa ser normalizada (Foto: Shutterstock)

Depois de querer engravidar por tanto tempo, porém, Naomi não sentia que poderia compartilhar abertamente o sentimento de vergonha que sentia de seu corpo e suas inseguranças em torno de algumas das mudanças físicas da gravidez. O resultado é uma pessoa forçada a apenas fazer uma cara feliz quando inevitavelmente alguém pergunta: “Como você está se sentindo?”, e continuar um ciclo injusto de sentimentos.

Para Megan Roup, fundadora da plataforma de dança fitness The Sculpt Society, foi essa mesma incompatibilidade de como ela pensava que seria a gravidez em comparação com sua realidade que desencadeou seus sentimentos de descontentamento, mas mais ainda no lado mental-emocional. “Ao engravidar, pensei que ficaria muito mais relaxada com isso, porque trabalhei muito duro nos meus vinte e poucos anos para desenvolver um ótimo relacionamento com meu corpo”, diz ela. “Foi quase como se quando engravidei, alguns dos meus antigos sentimentos sobre as minhas inseguranças começaram a voltar, o que foi realmente frustrante para mim, já que havia trabalhado tanto no amor, no autocuidado e na paz com meu corpo”.

Megan precisava ficar lembrando a si mesma que as mudanças pelas quais ela estava passando eram boas e necessárias para sustentar um bebê, mas ela gostaria que não fosse um tabu falar sobre como, para alguns, o ganho de peso e o aumento corporal podem ser difíceis, mesmo quando a gravidez é desejada. “Eu simplesmente não me sentia em casa no meu corpo”, diz ela. “Desde quando você chegou nesta terra, você sabe como é o seu corpo e então, durante esses 10 meses, de alguma maneira seu corpo não é mais seu. E eu definitivamente lutei com esse sentimento de estranheza em ser eu mesma”.

“Eu pessoalmente também lutei por não ser capaz de reconhecer alguns de meus próprios padrões de pensamento e por não me sentir no controle de minhas emoções”, diz Laura. “No início da minha gravidez, a combinação de hormônios em alta e grandes mudanças na vida me fez pensar quem eu era e o que o futuro reservava para mim, meu relacionamento e minha identidade como eu a conhecia”. Felizmente, com a ajuda de um terapeuta e alguns níveis hormonais, ela foi capaz de se encontrar novamente no segundo trimestre e recuperar a sensação de segurança e o senso de identidade, mas foram alguns meses assustadores enquanto ela se perguntava se algum dia iria se sentir como “ela mesma” novamente. “Isso não era algo que eu esperava sentir, e algo que estava além do que era aceitável falar em meus círculos sociais”.

Normalizando esse tipo de conversa

A questão aqui não é dizer que alguém deva gostar ou não da gravidez – é que todos temos o direito de ter nossa própria experiência e não devemos sentir que existe uma maneira “certa” ou “errada” de se sentir a respeito de um evento de vida tão profundo. De acordo com a pesquisadora da Universidade de Houston, Brené Brown, Ph.D., conhecida por seu trabalho sobre vulnerabilidade, vergonha e empatia, sentir vergonha é o “sentimento ou experiência intensamente dolorosa de acreditar que somos imperfeitos e, portanto, indignos de amor e pertencimento”.

E se há algo que as mulheres precisam mais do que nunca durante a gravidez, é ter um sentimento de pertencimento em suas comunidades e poder compartilhar abertamente como se sentem, sem medo de julgamento ou reação. Para Megan, uma das coisas que foi mais útil durante a gravidez foi o apoio da comunidade e o sentimento de que era capaz de ser transparente sobre suas emoções conflitantes e confiar nos outros para ter compaixão, parceria e apoio.

Então, no final das contas, vamos começar a normalizar as conversas abertas e honestas sobre as partes bonitas de se carregar uma criança e também sobre os aspectos não tão bonitos (remédios para azia, alguém?), e trazer mais naturalidade ao diálogo. No final do dia, todas as mulheres vão se sentir menos isoladas em suas jornadas de fertilidade, aonde quer que elas as levem.