Orgasmo faz mal à grávida e ao bebê? Veja 6 mitos e verdades sobre sexo na gestação

O orgasmo pode induzir o parto? Ter câimbras após o orgasmo é normal? Corremos o risco de machucar o bebê durante o sexo? Reunimos essas e mais perguntas sobre sexo na gestação

Resumo da Notícia

  • Na gravidez sem complicações ou de risco, não há motivos para preocupações, pois o orgasmo antes do final do ciclo de gestação não precipita o parto
  • As reações do bebê nada têm a ver com você fazer sexo. São respostas unicamente às atividades hormonais e uterinas
  • Se você não se sentir estimulada para fazer sexo, é importante conversar sobre o assunto e deixar bem claro o que mudou para você

Orgasmo na gestação é um assunto que ainda gera muitas questões. Por isso, relacionamos as dúvidas mais comuns ao casal heterossexual, tendo em mente que a chegada ao ápice envolve muito, mas muito mais que penetração.

-Publicidade-
As reações do bebê dentro da sua barriga nada têm a ver com você fazer sexo (Foto: Shutterstock)

O orgasmo pode induzir o parto?

Na gravidez sem complicações ou de risco, não há motivos para preocupações, pois o orgasmo antes do termo (final do ciclo de gestação) não precipita o parto. Já o orgasmo no termo pode, ocasionalmente, apressar o parto. Na verdade, o sexo no termo tem várias vantagens comprovadas e ajuda bastante a preparar a mãe para o parto, pois ativa contrações bem mais controláveis do que as provocadas por indutores de parto comuns. O orgasmo libera ocitocina, que faz com que o útero sofra contrações. O sêmen contém prostaglandina que pode relaxar naturalmente o colo do útero, colaborando para um parto mais fácil. Sugar os mamilos e estimular os genitais pode ativar lentas contrações.

Ter câimbras após o orgasmo é normal?

O orgasmo, naturalmente, poderá causar algumas câimbras, que durante uma gravidez normal – sem riscos – não são problema; mas comunique sempre esse tipo de sintomas ao seu médico, ou mesmo outros que considerar menos usuais, é sempre melhor prevenir, ele verá o seu caso e a aconselhará de acordo.

-Publicidade-
Alguns homens podem se sentir desestimulados para o sexo pela proximidade com o bebê (Foto: iStock)

Minha barriga fica contraída quando gozo. Estamos fazendo mal ao bebê?

Não. Você pode observar que o bebê fica mais ativo ou calmo durante o ato sexual. As reações do bebê nada têm a ver com você fazer sexo. São respostas unicamente às atividades hormonais e uterinas. O certo é que tais atividades fazem você se sentir feliz, amada e relaxada, sensações que passam para o bebê. A endorfina que cai na sua corrente sanguínea também o beneficia. E se ele se mexe mais rápido é porque seu coração está batendo rápido.

Meu parceiro acha que pode machucar o bebê. Isso é mito?

O bebé não sofre com o ato sexual, isso é bobagem. Ele está muito bem protegido pela forte musculatura uterina e pelo saco gestacional e o liquido amniótico. Essa bolsa d’água equivale a um amortecedor. E na entrada do útero existe o tampão mucoso, membrana que mantém o órgão fechado, livre de contaminações. Alguns homens se sentem desestimulados para o sexo pela proximidade com o bebê, que parece “testemunhar” todo o ato. Fiquem certos que o bebê não terá a menor lembrança de suas relações sexuais enquanto estava no útero.

Se você não se sentir estimulada para fazer sexo, é importante conversar sobre o assunto (Foto: iStock)

Nunca achei que fosse pensar tanto em sexo na gravidez.

Algumas grávidas dizem se sentir em permanente estado de excitação, especialmente no segundo trimestre, e muitas têm orgasmos mais intensos do que antes de engravidar, com os tecidos vaginais permanecendo inchados muito tempo depois do orgasmo. Se isso acontecer com você talvez a relação sexual não a satisfaça totalmente – o que pode ser aliviado pela masturbação. Caso vá utilizar brinquedos sexuais, o que também não é contraindicado, certifique-se de que esteja tudo higienizado, para evitar contaminações.

Perdi o desejo sexual, chegar ao orgasmo então, é impensável.

Na gravidez, também é possível que um dos parceiros sinta-se rejeitado pelo outro – não por haver menos amor entre eles, mas porque as formas de demonstrá-lo estão conturbadas. Se você não se sentir estimulada para fazer sexo, é importante conversar sobre o assunto e deixar bem claro o que mudou para você, mas igualmente expressar todos os bons sentimentos que não mudaram. Pode ser que ambos apenas precisem reafirmar o amor e o compromisso mútuos.

Consultoria: A Bíbllia da Gravidez, Ed. CMS, de Wladimir Taborda e Alice D’Agostini Deutsch; Pais Grávidos, Ed. Cultrix, Jack Heinowitz.

-Publicidade-