Paolla Oliveira fala sobre sentimento após congelamento de óvulos

A atriz conversou sobre o processo em entrevista para o canal do Youtube “Seja Seu”, de Brunno Rangel e Marcelo Feitosa

Resumo da Notícia

  • Paolla Oliveira falou sobre o congelamento de óvulos em nova entrevista
  • A atriz afirmou que se sente livre por poder tomar a decisão
  • Ela ainda relacionou o relato com a família

Paolla Oliveira falou mais uma vez sobre congelamento de óvulos. Em entrevista para o canal para o canal do Youtube “Seja Seu”, de Brunno Rangel e Marcelo Feitosa, a atriz falou sobre o sentimento com o processo.

-Publicidade-
Paolla falou sobre o congelamento de óvulos
Paolla falou sobre o congelamento de óvulos (Foto: reprodução / Instagram @paollaoliveirareal)

“Existe uma pressão, sempre existiu. Você tem um andamento da vida que tem que seguir isso do casal, família e propriedade”, contou. “Vim de uma família aonde era bem-vindo casar com buquê de flores de laranjeira, filhos e tudo mais. Essa coisa dos óvulos veio como liberdade. Meu desejo é que mais mulheres tivessem a oportunidade e ter isso como opção”.

O processo

Paolla Oliveira ainda não é mãe e nem sabe se quer ter filhos.  A atriz não gosta de rótulos e nem de definir nada, mas por conta da idade precisou tomar uma decisão que muitas mulheres precisam tomar: “Congelar ou não os meus óvulos”.

Depois de passar por todo o tratamento, que pode ser longo, Paolla contou quais foram os efeitos das injeções hormonais no físico e no psicológico. As mulheres precisam de uma superdose de hormônios para deixar os óvulos prontos para o procedimento.

Paolla realizou congelamento de óvulos
Paolla realizou congelamento de óvulos (Foto: Shutterstock)

A maternidade tardia é cada vez mais real para as mulheres brasileiras, que muitas vezes se preocupam primeiro com o emprego e com a carreira para encontrar uma estabilidade para criar os filhos.

Paolla revelou em entrevista ao Jornal O Globo que havia passado pelo procedimento de congelamento. “Levo a vida sem a obrigação de ter que estar em algum lugar. E, mais importante, não gosto de ter que me encaixar em rótulos, padrões. E, para não ficar à mercê do tempo, tratei de me cuidar e fiz o congelamento de óvulos. Eu não sei se quero ter filhos, mas não sei o dia de amanhã”.