Pfizer inicia testes em grávidas de vacina contra covid-19 no Brasil: entenda como vai funcionar

O estudo será realizado com quatro mil grávidas ao redor do mundo, sendo 200 delas brasileiras. A pesquisa tem o objetivo de avaliar como a vacina funcionará para este grupo

Resumo da Notícia

  • Quatro mil mulheres irão participar dos estudos da vacina da Pfizer
  • Apenas no Brasil, 200 delas poderão tomar o imunizante
  • O objetivo é saber como a vacina contra covid-19 irá funcionar neste grupo, avaliando a segurança, a tolerabilidade e a imunogenicidade

Nesta terça-feira, 25 de maio, a farmacêutica Pfizer iniciou os testes clínicos de eficácia da vacina contra a covid-19 em mulheres grávidas. De acordo com a empresa, 200 mulheres acima de 18 anos irão participar dos estudos realizados no Brasil.

-Publicidade-

As pesquisas estão na segunda fase de testes, na qual três são necessárias para aprovação do uso da vacina. Neste momento do estudo, quatro mil grávidas irão fazer parte da pesquisa contra o novo coronavírus, sendo 200 delas brasileiras.

“O estudo avaliará a segurança, a tolerabilidade e a imunogenicidade de duas doses da ComiRNAty (BNT162b2) administradas com 21 dias de intervalo. O levantamento também avaliará a segurança nos bebês e a transferência de anticorpos potencialmente protetores da mãe para o filho. Os recém-nascidos serão monitorados até aproximadamente os seis meses de idade”, disse a Pfizer em nota à imprensa.

200 grávidas brasileiras irão fazer parte dos estudos da vacina da Pfizer conta a covid-19 (Foto: Freepick)

De acordo com a farmacêutica, na fase 3 dos testes, os estudos serão realizados com jovens a partir de 16 anos de idade e com um intervalo de 21 dias em cada uma das doses. O Brasil já começou a receber lotes das 100 milhões de doses dos imunizantes comprados.

Mas, vale lembrar que as vacinas terão intervalos de três meses no Brasil, e não de 21 dias como recomenda a fabricante. O objetivo da imunização contra a covid-19 é diminuir as chances das formas graves da doença, reduzindo o número de mortes e internações.