Placenta pode evitar problemas genéticos nos bebês: entenda melhor

A pesquisa descobriu que o órgão reúne alguns padrões e mutações que fariam mal para o feto e impedem que eles cheguem até o bebê

Resumo da Notícia

  • A placenta pode evitar que alguns padrões e mutações que fariam mal ao feto cheguem até o bebê
  • A descoberta foi feita em um estudo publicado recentemente pela revista Nature
  • Eles analisaram centenas de exames para chegar ao resultado

Com a evolução da ciência, os pesquisadores descobrem cada vez mais sobre a gravidez e as inúmeras mudanças envolvidas nesse processo tão mágico. Um estudo recente, publicado na revista especializada Nature na última quarta-feira, 10 de março, comprovou a teoria de que a placenta  seria como um “depósito” para defeitos genéticos que poderiam prejudicar o bebê.

-Publicidade-
Placenta pode funcionar como “colcha de retalhos de tumores”, aponta estudo (Foto: Getty Images)

Tudo começa a acontecer, segundo a pesquisa, nos primeiros dez dias de gestação. Nesse período, o óvulo fertilizado se implanta na parede do útero e começa a se dividir, transformando uma única célula em várias. Algumas dessas células formam a placenta. Com o passar do tempo, mais ou menos na 10° semana de gravidez, a placenta começa a acessar a circulação da mãe, obtendo oxigênio e nutrientes necessários para o feto e removendo resíduos, além de fazer a regulação dos hormônios essenciais. Esse período é extremamente importante, assim como a placenta no geral.

Os cientistas do Wellcome Sanger Institute e da University de Cambridge, por meio do estudo, decidiram analisar melhor essa relação da placenta com a saúde da mãe e do feto. Para isso, conduziram o sequenciamento do genoma completo de 86 biópsias e 106 microdissecções de 42 placentas, com amostras retiradas de diferentes áreas de cada órgão.

Com a análise, eles descobriram alguns padrões específicos de mutação muito encontrados em cânceres infantis, como neuroblastoma e rabdomiossarcoma, com um número ainda maior dessas mutações na placenta do que nos próprios cânceres. Ou seja, para proteger o feto, a placenta segura boa parte desses padrões e mutações que poderiam causar problemas ao bebê.

“Nosso estudo confirma pela primeira vez que a placenta é organizada de maneira diferente de todos os outros órgãos humanos e, de fato, se assemelha a uma colcha de retalhos de tumores. Taxas e padrões de mutações genéticas também foram incrivelmente altos em comparação com outros tecidos humanos saudáveis”, explica o professor Steve Charnock-Jones, autor sênior do estudo da Universidade de Cambridge. Os pesquisadores acreditam que o estudo é um primeiro passo importante para outras pesquisas futuras com o foco de entender melhor essa relação entre a placenta e o feto.