Gravidez

Qual a melhor hora para engravidar?

Mães de diferentes faixas etárias contam suas experiências

Letícia Vaneli

Letícia Vaneli ,filha de Alcides e Eugênia

(Foto: Getty Images)

É muito difícil encontrar uma mulher que não esteja ciente de seu relógio biológico e que suas chances de engravidar e criar uma família. Mas, embora o momento mais fértil de uma mulher seja na casa dos 20 anos, este não é a hora mais propicia muitas enfrentarem a gravidez. Aliás, algumas podem nem estarem prontas na casa dos 30. É por isso que a maioria dos especialistas e mães concordam que não há idade perfeita para engravidar.

“Quanto mais jovem você é, menos dinheiro e recursos você tem para cuidar de uma criança”, informa a obstetra Wendy C. Goodall McDonald. Além disso, a Dr. McDonald ressalta que, quanto mais velha você fica, maior a probabilidade de se encontrar na geração sanduíches, a qual é caracterizada por pessoas que cuidam dos pais e filhos ao mesmo tempo.

Obviamente, o momento ideal para uma mulher engravidar é quando ela está pronta – fisicamente, emocionalmente, mentalmente e financeiramente – e esse tempo varia muito para cada uma. Para ajudá-la a determinar qual a melhor idade para engravidar, pedimos a especialistas e mães reais que compartilhassem suas opiniões para todas as faixas etárias.

Antes dos 20 anos

Obviamente, essa faixa etária jovem não é ideal para a maioria das mulheres, mas não há como negar que nesta fase você será mais fértil do que nunca! “As mulheres também apresentam menores  riscos de complicações na gravidez, como diabetes gestacional e hipertensão”, explica o Dr. McDonald.

Ironicamente, no entanto, as taxas de pré-eclâmpsia são mais altas nos extremos das idades – adolescentes e mulheres entre 30 e 40 anos -, portanto, se você tem menos de 20 anos, está incluído nesse risco. Preocupações financeiras que surgem com a criação de um filho também reinam supremos nessa faixa etária.

Embora Phylicia I., 29 anos, de Atlanta, Geórgia, fosse casada quando engravidou aos 18 anos, ela diz que ainda tinha a mentalidade de uma criança. “Fiquei extremamente emocional e confusa sobre como ser mãe sendo tão jovem”, diz ela. “Não me interpretem mal, meus filhos foram, e ainda são, presentes de Deus e mudaram minha vida para melhor, mas é difícil ser mãe quando você ainda tem muito para crescer sozinho”. Ela também aprendeu ao longo do caminho que a gravidez e a maternidade poderiam ter sido menos estressantes se ela esperasse um pouco mais para ter seus filhos, porque agora ela diz que é muito mais experiente, paciente e disposta a dedicar um tempo às crianças.

Entre 20 e 24 anos

A maioria das mulheres nessa faixa etária ainda é muito fértil, com uma chance estimada de 25% de engravidar a cada mês. As finanças ainda podem ser um fardo comum, pois a maioria das pessoas ainda estão investindo em suas carreiras profissionais.

Bianca D., 27 anos, de Orlando, Flórida, tinha 20 anos quando teve sua filha de 7 anos e 25 quando deu à luz seu filho de 23 meses. Embora ainda estivesse na faculdade, conseguiu concluir sua graduação com um incrível sistema de apoio. “A gravidez foi muito mais fácil no meu corpo na primeira vez desde que eu era um pouco mais jovem e com mais forma”, diz ela.

“Na minha segunda gravidez, eu troquei o meu trabalho em tempo integral na indústria de marketing para ser uma empreendedora trabalhando em casa, então fiquei menos ativa e minha vida foi mais estressante”. Ela também sofreu mais complicações e a recuperação foi mais longa na segunda gravidez. Ela acredita que nunca há um “momento certo” para engravidar, dizendo “seja planejado ou não, nunca será fácil”.

Entre 25 e 29 anos

Medicamente falando, é o mesmo em termos de prós e contras para engravidar aos 20 e poucos anos. A maioria das mulheres ainda tem 25% de chance de engravidar todos os meses.

Krystal R., 29 anos, de Miami, Flórida, decidiu engravidar logo após se casar aos 27 anos, apesar de tantas pessoas a aconselharem a esperar. “O que as pessoas não sabiam é que meu marido e eu conversamos sobre isso há anos – era algo que queríamos”, diz ela. “Eu realmente adoraria ter minha filha aos 27 anos. Eu me sentia jovem, confiante, cheia de energia e pronta para ser a melhor mãe que eu poderia ser.”

Embora Madelyn M., 30 anos, de Atlanta, Geórgia, teve o seu primeiro filho aos 28 anos, ela ainda está sentindo a pressão, especialmente da família, de começar a pensar no segundo. “Crescendo em uma família hispânica, sinto a pressão de ter todos os meus filhos antes dos 30 anos”, diz ela. “A sociedade coloca tanta pressão sobre nós, mas concordo que ter filhos com mais de 20 anos permite flexibilidade e não faz você sentir que precisa ter um bebê após o outro”.

Entre 30 e 34 anos

“Quando você atinge os 30 anos, particularmente os 35 e mais, começamos a ver uma diminuição na fertilidade, mas isso não é absoluto – e se você ainda está muito ocupada em estabelecer uma carreira ou, então, não encontrou o parceiro perfeito, você não deve se sentir obrigada a engravidar “, diz Mary Jane Minkin, professora clínica de obstetra na Universidade de Yale. “No entanto, você também precisa levar em consideração quantos filhos deseja ter”.

Em termos profissionais, engravidar aos 30 e poucos anos permite que as mulheres desfrutem de uma quantidade significativa de tempo para aproveitar seus anos de juventude, explorar sua carreira e conhecer a si mesmas. Esse foi o caso de Kelly M., 46 anos, de Suffern, Nova York, que teve seu primeiro filho aos 34 anos. Ela acha que definitivamente há algo a ser dito por esperar até você ficar mais velho e ter outras experiências de vida atrás de você.”Definitivamente, eu não estava pronta para esse tipo de compromisso nos meus 20 anos, quando ainda tinha muito o que queria realizar e não colocaria em segundo plano até que as crianças fossem mais velhas”, diz ela.

Entre 35-39 anos

Infelizmente, é verdade que a fertilidade começa a diminuir substancialmente aos 32 anos e mais rapidamente aos 37. Além disso, o sucesso da assistência à fertilidade, como as taxas de sucesso da fertilização in vitro, também começa a declinar, aumentando o custo do tratamento, ressalta o Dr. McDonald. “Os riscos para a saúde também começam a aumentar, como hipertensão, diabetes na gravidez e pré-eclâmpsia, bem como taxas de anormalidades cromossômicas (embora a taxa ainda seja menor que 1% aos 40 anos)”. Mulheres nessa faixa etária devem considerar procurar a ajuda de seu ginecologista ou especialista em REI após 6 meses de tentativas.

Monica B., 43 anos, de Northport, Nova York, gostava de ter seus dois filhos aos 35 e 37 anos, respectivamente, porque isso lhe dava mais tempo para amadurecer e se tornar mais estável financeiramente. “Por causa de onde eu estava na minha carreira, quando tive meu filho, tive a experiência e o know-how para iniciar meu próprio negócio de consultoria para que eu pudesse ser meu próprio chefe e projetar meu próprio horário, o que eu não teria sido capaz fazer alguns anos antes “, diz ela. “Eu diria que a única desvantagem é que eu pareço ter vários anos com todas as mães ao meu redor, o que me faz sentir um pouco desconectada. Eu ainda seria convidado para o tipo de coisa que as noites das mães fazem, mas sempre havia algo em nossas conversas que destacaram a diferença de idade “.

Entre 40-45 anos

Aos 40 anos, as chances de uma mulher saudável engravidar a cada mês são inferiores a 5%. A maior preocupação nessa faixa etária, no entanto, são os riscos médicos envolvidos. “Mulheres com mais de 40 anos têm um aumento nas complicações precoces da gravidez, como gravidez ectópica e abortos, bem como complicações posteriores da gravidez, como pré-eclâmpsia, diabetes, problemas na placenta, como placenta prévia, baixo peso ao nascer e parto prematuro, bem como uma maior taxa de morte fetal “, explica Anate Brauer, endocrinologista da reprodução nos Centros de Fertilidade.

“Todos esses riscos aumentam se uma mulher tiver condições pré-existentes, como pressão alta, diabetes ou obesidade”. Além disso, a Dr. Brauer destaca que gestações múltiplas, como gêmeas e trigêmeos, que são mais comuns quando submetidas a tratamentos de fertilidade, aumentam significativamente esses riscos.

Suzana S., 43 anos, de Astoria, Nova York, deu à luz a filha um mês antes do aniversário de 41 anos e não se arrepende. “Fico feliz por ter tido minha filha, porque havia me dado muitos anos para explorar o significado da minha própria vida e me definir”, diz ela. “Por causa das minhas experiências, sei que posso ajudar minha filha a filtrar todo o barulho de sua vida para descobrir o que é verdadeiro e bonito para ela, viver uma vida de propósito e amor“.

Em suma, especialistas e mães concordam que realmente não há resposta certa para a pergunta “quando é a melhor idade para engravidar?” Biologicamente, a resposta provavelmente é o início dos anos 20, mas inúmeros fatores devem ser considerados, muitos dos quais diferem por indivíduo. Seu melhor plano de ação é fazer o que lhe parecer melhor – seja o que for.

Fique por dentro das novidades no canal Pais&Filhos:

Leia também:

Estou grávida, e agora? Conheça os primeiros passos e exames

Estudo afirma que autoestima da grávida influencia na relação de mãe e filho

Estudo mostra porque mais da metade dos pais não se sente preparado para adotar uma criança