Gravidez

Sabe o que é descolamento ovular? Te explicamos

Complicação pode acontecer até a 12ª semana de gravidez

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Woman with hands holding her crotch. Human reproductive system. Female anatomy concept.

(Foto: iStock)

Sabrina Sato foi entrevistada por Rodrigo Faro no último sábado (5) em edição especial do Programa da Sabrina e falou sobre sua gravidez de risco. A apresentadora, de 37 anos, espera seu primeiro filho com o ator Duda Nagle e revelou tudo sobre como foi que descobriu sua gestação e o porquê ela é considerada de risco.

A futura mãe foi internada no dia 14 de abril quando teve uma hemorragia. “Tenho uns machucadinhos no meu útero. Eu tenho um hematoma subcoriônico, também chamado de descolamento ovular. Quando eu fui internada, tive uma hemorragia. Eu e minha irmã saímos desesperadas para o hospital, chorando muito. Na hora que a gente viu aquela quantidade de sangue a gente falou assim ‘não tem mais jeito’. Achei que tinha perdido o bebê naquele momento”, contou Sabrina.

De acordo com o ginecologista e obstetra Alberto Guimarães, criador do Programa ‘Parto Sem Medo’, o descolamento ovular pode acontecer no primeiro semestre de gravidez, até a 12ª semana. “O ovo, junção do espermatozoide com o óvulo, tem a capacidade de ‘comer’ a parede do útero para grudar. Uma vez que esse ovo adere a parece interna no útero acontece o desenvolvimento do broto embrionário, que irá formar o bebê, a placenta, o cordão, o líquido e etc. O descolamento ovular é quando o ovo desgruda da parede uterina”, explica Guimarães.

O doutor explicou que o descolamento não apresenta muitos sintomas específicos, mas pode causar pequenas cólicas e sangramentos. E para as mamães, Alberto pede que mantenham a calma. “Esse descolamento pode ser sinal de abortamento ou apenas uma alteração nesse processo de implantação do ovo, como eventualmente um pequeno vaso rompido no útero. Uma vez que feito o ultrassom, tomados os cuidados pedidos pelo médico e passado o susto, ele não vai ter repercussões maiores na evolução da gestação, no próprio parto e não leva a má formação fetal”, diz o obstetra.

Cuida