Serena Williams investe milhões em ONG de cuidados pós-parto para mulheres negras

A tenista conta um pouco sobre as dificuldades do seu parto e abre uma ONG para mães negras e seus bebês

Em 2017, Serena Williams deu a luz à Alexis Olympia, após uma gravidez relativamente tranquila. Infelizmente, ela teve complicações durante e pós parto. A tenista americana sofreu uma alteração nos seus batimentos cardíacos que implicou em uma cesárea de emergência.

-Publicidade-

No dia seguinte, durante a sua recuperação, ela começou a sentir falta de ar causada por coágulos sanguíneos em seu pulmão.

Serena Williams durante a gravidez (Reprodução/Instagram @serenawilliams)

O intenso ataque de tosse desencadeado pela embolia pulmonar fez com que sua incisão na cesariana fosse aberta. Serena teve que voltar à mesa de cirurgia e os médicos descobriram que havia um grande hematoma no seu abdômen.

-Publicidade-

Williams deixou o hospital uma semana depois e ficou presa na cama por mais de um mês após o parto.

SERENA VENTURES

Sabendo que as dificuldades pós-parto são recorrentes, a tenista americana criou uma ONG para quem mais precisa: mães negras. Serena investiu cerca de R$12 milhões na tentativa de proporcionar mais tranquilidade durante o puerpério.

Serena afirmou que sua empresa está focada em investir em companhias diversas com jovens fundadores e que desenvolvem espaços para colaboração. Numa publicação no Instagram, ela afirmou que “Serena Ventures investe em companhias que abraçam a diversidade de liderança, o empoderamento individual, criatividade e oportunidade”.

Serena Williams usando blusa da sua ONG ” Serena Ventures” (Reprodução/Instagram @serenawilliams)

MORTALIDADE MATERNA

Nessa caminhada, Serena não está sozinha!

O cenário de problemas durante e/ou pós-parto no Brasil é crítica. É um dos piores índices de saúde do pais. A ocorrência é até dez vezes maior do que em países desenvolvidos.

A principais causas da mortalidade materna são hipertensão, as hemorragias, as infecções e o aborto, consideradas causas diretas e evitáveis.

Paralelo à isso, os obstáculos durante o parto sofrem um aumento devido as disparidades sociais, como os preconceitos raciais. A história da tenista não deixa esse fator passar em branco, fazendo com que a sua ONG seja exclusiva para mulheres negras.

A expectativa é atender cerca de 10 mil mulheres por ano.

Leia também:

Serena Williams mostra a primeira foto da sua bebê! 

Poderosa! Serena Williams quer jogar tênis antes e depois do parto

Serena Williams: “Mulheres não devem ser tratadas de forma diferente porque têm filhos”