Gravidez

Sexo na gravidez: 4 motivos para você não deixar de fazer

Mas a gente já alerta que quem dá a palavra final é o obstetra

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Mesmo nos dias de hoje, o sexo durante a gestação ainda é um tabu. Algumas mulheres ficam receosas de ter relações por alguns medos e muuuitas dúvidas, mas a gente está aqui para te explicar que sexo nesse período pode (e deve), sim. Conversamos com Renato de Oliveira, ginecologista responsável pela área de reprodução humana da clínica Criogênesis, filho Evanildo e Rosária, e listamos quatro motivos para você não abandonar o sexo durante a gravidez.

Não machuca o bebê

Primeiramente, uma coisa precisa ser esclarecida: a prática não vai machucar seu filho. Então se esse era o motivo de você não ter relações durante a gravidez, agora você já pode ficar tranquila. “Isso é um mito. O bebê está protegido e, se o sexo causar bem estar para a gestante, o mesmo vai acontecer com a criança, que também se sentirá bem”explicou Renato.

Fortalece os músculos 

Saber que não machuca o bebê já dá até um alívio, a gente sabe, mas pode ficar ainda melhor. Isso porque a prática fortalece os músculos do períneo, região onde ficam os órgãos genitais e o ânus, o que dá uma mega facilitada na hora do parto. Ufa!

Lubrificação aumenta

Além disso, quando você está grávida, a lubrificação da vagina aumenta, o que causa muito mais prazer nas horas das relações sexuais e pode até mesmo aumentar a quantidade de orgasmos. Então por que não aproveitar esse momento, né?

Xô estresse!

Vale ressaltar que o ato também traz benefícios emocionais. “A vida sexual faz parte da qualidade de vida dos indivíduos, então se você não interrompe o sexo por conta da gravidez, mantêm seu bem estar físico e emocional”, disse o ginecologista. Isso significa que o estresse é deixado de lado, o que é ótimo levando em consideração que ele é um dos motivos que podem causar o parto prematuro.

Mas não esquece que quem dá a palavra final é o seu obstetra, ele é o único que saberá avaliar a sua situação e dizer se o sexo está liberado ou não. “A relação sexual na gravidez é recomendada a menos que a mulher corra algum risco de abortamento, então é sempre bom a gestante esclarecer suas dúvidas com seu médico”, explicou Renato.

E se mesmo com todos esses pontos positivos você ainda não foi convencida, vamos lá! É normal sentir medo, principalmente durante os primeiros três meses, quando o risco de aborto é maior, mas se o seu obstetra te liberar e estiver tudo certo, a relação pode acontecer, sim. A partir do segundo trimestre, nossa dica é: se joga! Você provavelmente já vai estar fora de risco, sua barriga ainda não estará enorme e provavelmente vai sentir muito prazer.

Já no último trimestre, é necessário ter muita conversa, mas não precisa ter medo. “É o mais desconfortável por conta do tamanho do abdômen, então as posições precisam ser mais cautelosas. Converse com seu obstetra e, claro, com o seu parceiro”, aconselhou o médico.

Leia também:

Sabrina Sato e Duda Nagle sobre sexo durante a gravidez: “As prioridades mudaram”

Mostramos em 7 passos que existe, sim, sexo depois da gravidez

Dor no sexo: 5 fatores que causam incômodo e dificultam a gravidez