Síndrome de Couvade: condição faz com que homens tenham sintomas de gravidez junto com a parceira

A síndrome de Couvade, também conhecida como “dor por simpatia” nos homens durante a gravidez, tem um amplo conjunto de sintomas possíveis, alguns dos quais podem ser graves

Resumo da Notícia

  • A síndrome de Couvade, também pode ser conhecida como "dor por simpatia" nos homens durante a gravidez da parceira
  • A condição tem um amplo conjunto de sintomas possíveis, alguns dos quais podem ser graves
  • Entenda mais sobre o assunto

“Como um futuro pai orgulhoso, mas despreparado, em março de 2016, fiz uma aula de ‘controle de bebês’. Em algum lugar entre as aulas de enrolar e arrotar, de repente minha visão ficou distorcida e eu não conseguia ver o instrutor. Ele e minha visão desapareceram. Dez dias depois, nasceu meu primeiro filho, Nicholas”, lembra Christopher Dale, redator da americana Parents.

-Publicidade-

“De repente, eu tinha duas novas missões urgentes: ser pai do meu filho e descobrir por que eu fiquei parcialmente cego, mesmo que apenas por alguns minutos”. Considerando a dor de cabeça, ele concluiu que era uma enxaqueca ocular, cujos sintomas podem incluir pontos cegos temporários. “Fiquei surpreso quando, após a tomografia, meu oftalmologista me entregou um relatório intitulado ‘Infarto Lacunar’”. O que isso significava? Que Christopher tinha tido um pequeno derrame.

Um pequeno derrame pode ser, como disse o neurologista dele, “um sinal de aviso”. O que ele enfrentou depois disso foi uma série de exames envolvendo uma equipe médica com neurologia, oftalmologia, cardiologia e hematologia, todos tentando encontrar o motivo de tudo isso. Depois de exames de sangue, ressonâncias magnéticas, ultrassons, ecocardiogramas e angiogramas, o processo de diagnóstico voltou sem suspeitas concretas. Felizmente, quase quatro anos depois, ele nunca mais passou pela situação.

A síndrome de Couvade, também pode ser conhecida como “dor por simpatia” nos homens durante a gravidez da parceira (Foto: Shutterstock)

Por que, então, um homem saudável de 37 anos teve um derrame? Muito provavelmente, a causa foi a única pergunta exploratória que deu positivo: “Havia algo estressante acontecendo em sua vida?”, perguntou o médico. “Aparentemente, uma mulher grávida de oito meses e meio com histórico de aborto é estressante”, ele concluiu. E, de fato, pais que passam por efeitos negativos à saúde em situações semelhantes é tão comum que tem seu próprio nome: síndrome de Couvade.

Da simpatia à empatia

De acordo com a Clínica Mayo, a síndrome de Couvade acontece quando homens saudáveis ​​cujas parceiras estão esperando bebês apresentam sintomas relacionados à gravidez. Embora não seja reconhecida como uma doença física ou mental, a pesquisa sugere que pode ser bastante comum.

Não é de surpreender para uma condição tão vaga (e não oficial), a síndrome de Couvade se tornou um diagnóstico para uma ampla variedade de sintomas que abrangem doenças físicas e mentais. As manifestações físicas podem incluir náusea, azia, dor abdominal ou distensão abdominal, problemas respiratórios, cãibras nas pernas, dores nas costas, irritação urinária ou genital e, estranhamente, dores de dente. Os sintomas psicológicos variam desde redução da libido e inquietação, até ansiedade e depressão.

As opiniões variam dramaticamente com relação a quantos homens são afetados pelos sintomas relacionados à síndrome de Couvade. Refletindo essa falta de consenso, Kristina Mixer, médica obstetra e ginecologista no Hospital Spectrum Health United, em Greenville, Michigan, nos Estados Unidos, acredita que o número pode ser tão baixo quanto 10%, mas tão alto quanto 65%.

Determinar a origem da síndrome de Couvade é um exercício de adivinhação na educação. Os profissionais de saúde mental têm considerado uma série de hipóteses, desde uma espécie de ciúme ou inveja de um homem pela incapacidade de carregar um filho até a possível culpa por ter causado essa transformação em sua parceira. Uma teoria psicossocial aponta para o afastamento dos homens durante a gravidez da mulher, uma divisão de gênero na sociedade em que as mulheres grávidas “têm suas carreiras de maternidade apoiadas comercialmente, socialmente e clinicamente”, enquanto os futuros pais não.

Outras teorias concordam, sem um consenso médico, claro. A teoria do apego propõe que quanto mais um homem se prepara para a paternidade – incluindo a participação em aulas pré-natais – mais provável é que ele apresente sintomas de Couvade. E apesar da falta de pesquisas dedicadas a esse assunto, a síndrome também parece ter alguma associação com variações em certos hormônios, incluindo os níveis de testosterona, durante a gravidez da parceira.

Uma suposição é, talvez, proveniente da simplicidade: a teoria da transição paterna propõe que a chamada cientificamente de ‘paternidade pendente’ – especialmente para quem vai ser pai pela primeira vez, como foi o caso de Chris – envolve lutas interpessoais altamente destrutivas que são intensamente estressantes. Basicamente, a teoria diz que a mistura de emoções e identidades revividas pela gravidez das parceiras – de pai cheio de orgulho a prisioneiro que fica em casa e tudo mais – bagunça as mentes dos homens e, por meio delas, os corpos deles.

Por que alguns homens apresentam sintomas de Couvade e outros não, é, assim como a causa da própria síndrome, algo desconhecido – ou melhor, as circunstâncias são muito variadas para um diagnóstico universal. “É definitivamente multifatorial”, diz Joyce E. Gottesfeld, médica obstetra e ginecologista em Denver. “As pessoas têm vidas diferentes e fatores estressantes diferentes, e alguns homens podem ser mais suscetíveis às mudanças hormonais que podem ser provocadas pela gravidez da parceira”.

A síndrome de Couvade tem um amplo conjunto de sintomas possíveis, alguns dos quais podem ser graves (Foto: Getty Images)

“Independentemente da origem desses fatores estressantes, minha experiência sugere que o caminho até a paternidade pode ser extremamente estressante. E embora meu pequeno derrame seja realmente um caso isolado em sua gravidade, certamente existem outros casos de síndrome de Couvade assustadoramente fortes”, Chris diz. Em um outro caso, um homem de 29 anos teve  enjoo matinal, ânsias, estômago dilatado e até crescimento dos seios durante a gravidez de sua namorada.

Alguns sintomas, é claro, podem ser inteiramente pura coincidência. Por exemplo, se uma mulher faz a maior parte das compras e cozinha durante a gravidez, uma combinação de seus desejos e o aumento da ingestão de alimentos podem ter efeitos colaterais em seu parceiro, como ganho de peso, azia e indigestão. Estar à espera de um bebê muda toda a rotina que já era estabelecida, o que pode naturalmente levar a mudanças físicas inesperadas ou situações mentais desconhecidas.

A Dra. Gottesfeld também acha que a síndrome de Couvade não passa ou se cura necessariamente após o parto. “Em termos de sintomas relacionados à Couvade, o que eu mais notei é na verdade depressão pós-parto, porque tanto a mulher grávida quanto seu parceiro estão passando por estressores semelhantes, especialmente a privação de sono e um enorme senso de responsabilidade”, diz ela. “Os bebês são os desreguladores e, claro, ambos os pais sentem esse estresse”.

E apesar da falta de consenso em torno das origens e prevalência da síndrome de Couvade, a comunidade médica concorda em uma coisa: quando se trata de algo tão mal definido e complicado, ter mais comunicação é sempre melhor do que menos.

“Para mim, é importante deixar o parceiro e a paciente grávida saberem que esta é uma síndrome conhecida e relativamente comum”, diz Dra. Mixer. “Isso ajuda a aliviar algumas preocupações e abre a comunicação entre todas as partes, e é uma oportunidade para direcionar os parceiros a procurarem atendimento médico por conta própria se os sintomas forem particularmente preocupantes”.