Gravidez

Tatá Werneck passou por cesárea após ter diabetes gestacional: entenda a doença e saiba os riscos

Segundo o Ministério da Saúde, o diabetes gestacional afeta cerca de 18% das gestantes


Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

Tatá não perdeu a oportunidade de brincar com a situação (Foto: reprodução/Instagram @tatawerneck)

Tatá Werneck deu à luz sua primeira filha, fruto do relacionamento com o ator Rafael Vitti, na madrugada desta quarta-feira (23). Segundo a coluna da jornalista Patrícia Kogut, a atriz chegou à maternidade com contrações, em trabalho de parto, mas teve que passar por uma cesárea. A cirurgia foi indicada porque a atriz estava com diabetes gestacional. “Eu fiquei com aquela diabetes (diabetes gestacional) e tive que fazer” explicou Tatá após cirurgia, dizendo ainda estar “grogue”.

O que é diabetes gestacional?

A diabetes gestacional é um distúrbio caracterizado pelo aumento do nível de açúcar no sangue nas grávidas e que pode levar a futuros problemas de saúde, tanto para a mãe, quanto para o bebê. Segundo o Ministério da Saúde, o diabetes gestacional afeta cerca de 18% das gestantes. Os casos da doença têm  aumentado expressivamente. Os últimos estudos relacionam esse aumento às mudanças nos critérios para seu diagnóstico e a fatores como obesidade, sedentarismo e maus hábitos alimentares da população. 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) passou a considerar glicemia elevada e alerta de diabetes gestacional as taxas de 92 mg/l de glicose no sangue quando analisado em jejum. Antes, esse valor era de 95 mg/l. A nova diretriz prova que o diabetes quando aparece na gestação é um sinal de alerta e precisa ser diagnosticado e tratado o quanto antes. Segundo Maurício Sobral, ginecologista e obstetra, pai de Luiza e Beatriz, a doença não costuma apresentar sintomas específicos, por isso pode ser confundida com os da própria gravidez, afinal inchaço e ganho de peso, por exemplo, são comuns.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Como desconfiar do problema?  

Algumas mulheres são mais predispostas a terem a doença do que outras, especialmente se a gestação for tardia. “Primeiramente se o exame do açúcar no sangue tiver alterações, ou seja, maior que 92mg/dl em jejum. Depois, se a paciente tem histórico de diabetes na família ou na gravidez passada deve ficar muito atenta”, explica Maurício. A gestante também deve suspeitar quando começa a engordar e apresentar inchaço nas extremidades acima do normal. A elevação da pressão sanguínea é um sinal indireto. Na ultrassonografia, seu médico pode notar sinais como o bebê aumentar muito de tamanho e peso e o líquido amniótico aumentar de volume.

Quais são as consequências?

O diabetes gestacional causa o aumento dos níveis de glicose no sangue. Geralmente, o problema desaparece depois do nascimento da criança, mas, quando não tratada, pode trazer riscos à saúde do bebê, como parto prematuro, doenças cardíacas, desenvolvimento da síndrome da angústia respiratória (que é a dificuldade para respirar ao nascer), icterícia e obesidade na infância ou adolescência.  

Diagnóstico e tratamento

De acordo com a obstetra endócrina, da Endoclínica São Paulo, Dra. Ana Claudia Amaral de Souza, o diabetes gestacional pode ser diagnosticado desde o início da gravidez, a partir dos primeiros exames realizados no pré-natal, ou se manifestar mais tardiamente, em geral, a partir da 24ª semana de gestação. O problema acontece pois durante a gravidez a placenta produz uma série de hormônios que podem levar a resistência da ação da insulina, hormônio responsável por controlar a glicose no sangue. 

A doença pode ser descoberta por meio de exames como de glicemia de jejum, curva glicêmica e hemoglobina glicada, que devem ser indicados pelo seu ginecologista ou obstetra. A partir daí, o acompanhamento médico se torna mais específico e deve inclui avaliações periódicas e mais detalhadas. “Além das consultas com o obstetra, é muito importante que a gestante opte por uma mudança de hábitos, incluindo uma dieta saudável e a prática de exercícios, que auxiliam no controle dos níveis de glicose no sangue e no funcionamento da insulina”, comenta o Dr. Maurício. O tratamento depende muito do caso. Pode ser somente com exercícios e dieta até o uso de insulina. “Em casos mais complicados, tem de internar a paciente para controlar o açúcar no sangue e monitorar o bem-estar do bebê”, finaliza o especialista. Apesar do caso de Tatá, a diabetes gestacional, em si, não é indicação para o parto cirúrgico. 

Leia também:

Estudo mostra relação entre consumo de antidepressivos na gravidez e diabetes gestacional

Cuidado em dobro na gestação: mulheres têm mais chance de desenvolver diabetes

A dúvida continua: Tatá Werneck não coloca enfeite com nome da filha em quarto do hospital