Viúva engravida do marido 10 anos após perdê-lo para um tumor cerebral: “Recomeçando”

Samille e Cleberson Landim guardaram os embriões em 2010, quando tentavam ter o primeiro filho. A empresária de 33 anos entrou na Justiça para conseguir fazer a fertilização in vitro novamente

Resumo da Notícia

  • Samille Ladim, de 33 anos, perdeu o marido, Cleberson Landim, para um tumor cerebral, em 2010
  • Na época, o casal fez fertilização in vitro para ter o primeiro filho: Pietro Cássio
  • Com os embriões estavam guardados desde então, Samille resolveu que era hora de engravidar novamente do marido
  • Hoje, ela espera pelo bebê que deve nascer em fevereiro de 2021

Samille Ladim, de 33 anos, não deixou os desafios da vida abalarem seus sonhos de aumentar a família. A empresário de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, perdeu o marido, Cleberson Landim, para um tumor cerebral, em 2010. Na época, o casal fez fertilização in vitro para ter o primeiro filho: Pietro Cássio. Com os embriões estavam guardados desde então, Samille resolveu que era hora de engravidar novamente do marido. Hoje, ela espera pelo bebê que deve nascer em fevereiro de 2021.

-Publicidade-
Samille já é mãe de Pietro Cássio (Foto: Arquivo Pessoal)

A clínica responsável pelo procedimento fica em Belo Horizonte e garantiu que os embriões ficariam guardados, porém só até o final do contrato, em agosto de 2020. Samille mudou de cidade e de vida depois do ocorrido, mas voltou a pensar na segunda gestação há três anos. “Não estava nos meus planos ficar viúva e criar um filho sozinha, aos 23 anos. Antes de entrar em coma, ele disse que o nosso filho, um menino, viria para cuidar de mim e ser meu amigo. E fez um último pedido: para buscar nossos bebês. Ali eu assumi um compromisso com ele”, conta a empresária para o portal Extra.

O bebê deve nascer em fevereiro de 2021 (Foto: Arquivo Pessoal)

A fertilização após a perda de um dos genitores é permitida pelo Conselho Federal de Medicina, desde que exista uma autorização prévia da pessoa. Como Cleberson não deixou nenhum documento específico sobre a circunstância, Samille precisou entrar na Justiça e brigar pelo direito do tratamento. “Foi muita luta. Mas vejo como um renascimento. Eu tinha uma fase para encerrar. Precisava ter meu filho. Fiz uma promessa quando para o meu marido, por isso, não deixaria os embriões congelados para trás”, disse.

-Publicidade-

Em 2018, a mãe de Pietro começou o processo para conseguir realizar o sonho de engravidar novamente de Cleberson. Um ano depois a empresária e a clínica mineira conseguiram fechar um acordo judicial para a liberação dos embriões. O bebê, que deve se chamar Enrico ou Maria, tem previsão para nascer no mesmo dia em que o pai perdeu a luta contra o câncer. “Será como se tivéssemos recomeçando (…)  Estou feliz em poder realizar esse sonho e isso que me importa. Só queria meus filhos”, finaliza.

-Publicidade-