Família

Histórias de Copa: família pé quente!

Desde pequenos, essa família acompanha o Brasil levantar a taça no mundial!

Cecília Malavolta e Nathália Martins

juliana azevedo

(Foto: Acervo Pessoal)

Algumas família têm como tradição torcer para um determinado time, almoçar aos domingos em família ou tocar algum instrumento. Já na casa da Juliana Azevedo, o costume é de dar inveja: todas as gerações viram a seleção brasileira vencer a Copa do Mundo. Legal demais, não é mesmo? Ela contou pra gente a história do Gabriel, seu filho. Olha só:

“Meu filho, que tinha 9 meses na Copa de 2002, usou uma roupinha que dizia: ‘Vovô foi tri, papai é tetra e eu serei penta!’. Demos sorte! Fomos mesmo pentacampeões naquele ano e, apesar de ser muito novo, ele gostava da bagunça. Era uma época mais tranquila em relação à segurança, então as pessoas se reuniam nas ruas para ver os jogos. Em uma rua do meu bairro colocavam até televisões, aquelas de tubo, para todos assistirem aos jogos. Foi aí que começamos a ensinar o Gabriel a comemorar. Ele batia palmas, fazia festa e brincava. Nós aproveitamos o tempo da Copa para ficar em família e, este ano, será o primeiro mundial do meu caçula, Pedro, que nasceu em julho de 2017. Tomara que dê sorte de novo!”

Leia também 

Histórias de Copa: o importante é torcer!

Histórias de Copa: o importante é torcer!

Diversão garantida! Veja opções para fugir do óbvio com seu filho no fim de semana

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não