Mais

Você conhece a história por trás do seu sobrenome?

Eles nem sempre foram do jeito que você conhece!

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

pile-of-old-black-and-white-photographs-picture-id153079734

(Foto: iStock)

Você já parou para pensar de onde vêm os sobrenomes? Em muitos países, eles eram a junção do nome de batismo do pai com um pronome de filho ou filha, ou seja, mudavam a cada geração. O nome disso parece até palavrão: Sistema Onomástico Patronímico. Com o passar do tempo, esse sistema foi deixado de lado e nomes fixos, como a gente conhece, passaram a ser usados no lugar. Apesar de já não ser uma prática comum, ainda existe um país que segue aquela tradição que falamos no começo: a Islândia. Se interessou, mas ainda não entendeu direito? O sociólogo Daniel Taddone publicou em seu Facebook uma explicação muito bacana e didática – e a gente te mostra, assim você entende um pouco mais e, quem sabe, até descobre a história do seu sobrenome!

“Sistema onomástico é o conjunto de regras legais ou consuetudinárias (da tradição) que um país (ou uma cultura) adota para dar nomes às pessoas e às coisas. Aqui vou abordar apenas do sistema de nomes próprios pessoais, os antropônimos.

A Islândia adota um sistema puramente patronímico (com pouquíssimas exceções). Mas, afinal, o que é um “sistema onomástico patronímico”? É quando o “sobrenome” do filho é formado a partir do prenome (“nome de batismo”) do pai:

– “Samúel Friðjónsson” significa que Samúel é filho de Friðjón.
– “Aron Gunnarsson” significa que Aron é filho de Gunnar.

Se Samúel tiver um filho chamado Gunnar, o nome completo dele será “Gunnar Samúelsson”. Se Aron tiver um filho chamado Friðjón, o nome completo dele será “Friðjón Aronsson”. Se for uma menina chamada Sigríður filha de Samuél, será “Sigríður Samúelsdóttir”. Se for filha de Aron, “Sigríður Aronsdóttir”. Notem que “-son” está para “filho” e “-dóttir” está para filha, cognatos das palavras inglesas “son” e “daughter”.

E qual é a peculiaridade da Islândia? É o único país de cultura ocidental a manter esse sistema puramente patronímico, não havendo “sobrenomes” propriamente ditos, pois ele é trocado a cada geração. O filho não tem o mesmo “sobrenome” que o pai, mas sim um “sobrenome” que faz referência ao prenome do pai.

Várias outras culturas europeias adotavam esse sistema, que foi abolido em épocas distintas ao logo da História (ver os adendos no fim do texto). Em algumas partes do mundo, sobretudo em comunidades tradicionais da Ásia e África, ainda vige um sistema puramente patronímico nos nomes tradicionais, sobretudo na transmissão oral (não no registro civil).

Isso parece tão distante da nossa cultura, não é? Mas nem tanto! Nos países ibéricos, Portugal e Espanha, a desinência patronímica é o “-es” nos sobrenomes portugueses e o “-ez” nos espanhóis.

Assim, “Rodrigo Antunes” era o Rodrigo filho do António. E o Nuno filho do Rodrigo era o “Nuno Rodrigues”. E o Marcos filho do Nuno era o “Marcos Nunes”. E o Vasco filho do Marcos era o “Vasco Marques”. E o Martim filho do Vasco era o “Martim Vasques” (ou Vaz). O Pedro filho do Martim era o “Pedro Martins”. E assim sucessivamente até que em um determinado momento o patronímico se “congelou” e tornou-se um sobrenome fixo como hoje conhecemos, repetindo em todas as gerações subsequentes.

Na Itália, o sistema era um tanto mais complexo, mas há paralelos. A forma mais evidente é o uso da preposição “Di” (ou “De” ou “D’ “). “Giovanni Di Luca” era filho do Luca. O Pasquale filho do Giovanni era “Pasquale Di Giovanni”.

Outra forma patronímica tipicamente italiana são os sobrenomes que terminam em “-i” (apenas uma parte deles, não todos!). Um homem chamado Pietro e que era filho de um Martino em latim seria “Petrus filius Martini” (“Pietro filho de Martino”, caso gramatical genitivo). Com o tempo perdeu-se o “filius” e sobrou apenas o “Martini”.

De uma forma bem “grossolana” (grosso modo), pode-se dizer que a forma patronímica com “Di” ou “De” é mais comum no centro-sul da península itálica, enquanto que a desinência “-i” é mais recorrente do centro (Úmbria, norte do Lácio, Toscana) até o norte.

Muitíssimos sobrenomes vênetos perderam o “-i” por influência das características fonéticas da língua vêneta, daí Martin, Pavan, Meneghel, Visentin etc. Lembrando que a desinência “-i” nem sempre era patronímica, muitas vezes originadas de outras motivações onomásticas.

Enfim, espero que minha explicação não esteja confusa demais. A dopo!”

E aí, como ficaria o seu sobrenome?

 

A publicação já teve mais de 17 mil curtidas e 10 mil compartilhamentos. Confira:

Coloquei uma explicação no meu perfil do Facebook (um pouco longa, rs). www.facebook.com/taddone.it

Uma publicação compartilhada por Daniel Taddone (@daniel.taddone) em

Leia também 

Descubra de onde vem o sobrenome da sua família e em que lugar do mundo ele é mais popular

Não sabe qual nome dar para o seu cachorro? A gente te ajuda!

Liberdade de escolha: já dá para mudar nome e sexo no RG em Cartórios de SP