Albert Einstein e Sírio Libanês afastam mais de 450 funcionários com suspeita de coronavírus

De acordo com as assessorias das instituições, são 104 no Sírio Libanês, e 348 no Albert Einstein

Resumo da Notícia

  • Ao todo foram 452 funcionários afastados nos hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês
  • No Sírio Libanês foram 104 casos de afastamento por 14 dias
  • Já no Albert Einstein, 348 afastados - destes, 47 já retornaram ao trabalho
  • O Sindicato dos Servidores de São Paulo aponta que de 1.º a 28 de março houveram 1.080 afastamentos de funcionários na rede pública por suspeita da contaminação
452 funcionários e profissionais da área da saúde  foram diagnosticados com o coronavírus (Foto: Getty Images)

Mais de 450 funcionários e profissionais da área da saúde  foram diagnosticados com o coronavírus em São Paulo. O levantamento foi feito pelos hospitais Sírio Libanês, que registrou 104 afastados, e o Israelita Albert Einstein, com 348 casos, totalizando 452, de acordo com o correio braziliense.

Em nota, o hospital Albert Einstein disse que os 348 casos fazem parte dos 15 mil colaboradores, representnando apenas 2% deles. Destes, 169 são profissionais como médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem e 13 estão internados. Já retornaram ao trabalho 47 desses profissionais, desde 25 de fevereiro.

Já o Sírio Libanês fastou os colaboradores por 14 dias após testarem positivo para o coronavírus. Segundo a assessoria da instituição, assim que eles apresentaram os primeiros sintomas, fizeram o teste e deixaram de exercer suas atividades. O hospital também esclareceu que esse número envolve desde médicos e pessoas da enfermagem, a funcionários da limpeza e auxiliares administrativos.

O Sindicato dos Servidores de São Paulo, com dados do Diário Oficial da Cidade, aponta que de 1.º a 28 de março houveram 1.080 afastamentos na rede pública por suspeita de contaminação.

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!