Notícias

Facebook e Instagram vão banir perfis de crianças e pré-adolescentes

As regras nas redes sociais começaram a mudar em maio, quando o Twitter começou a bloquear menores de 13 anos

Gabrielle Molento

Gabrielle Molento ,Filha de Claudia e Pedro

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Não tem mais jeito, as crianças estão conectadas e, por mais difícil que seja, precisamos ficar atentos a quantidade e qualidade de tempo que eles passam na internet. As redes sociais, por exemplo, são locais onde mesmo com pouca idade, os jovens já têm contas. Isso vai contra as regras, que exigem que o usuário tenha ao menos 13 anos, com o consentimento dos pais, para fazer parte da rede e 18 anos para criar sua própria conta sem depender da permissão de outras pessoas.

Estas regras, no entanto, estão mudando. O Facebook e o Instagram, por exemplo, vão começar a banir perfis de crianças que fingem ser maiores de idade para usar as redes sociais. No termo de uso das duas plataformas agora está escrito que menores de 13 anos não podem se cadastrar. Com a alteração, moderadores que trabalham nas empresas poderão bloquear qualquer conta suspeita, confirmou um porta-voz da rede social ao site TechCrunch — antes só era possível banir esse tipo de perfil com denúncias de outros usuários.

Uma vez bloqueado, o dono do perfil pode sim recuperá-lo caso apresente um documento de identidade com foto que prove que ele tem mais de 13 anos — para isso, deve usar o celular para tirar a foto e encaminhar a imagem para a rede social.

Já o Twitter começou a banir, em maio desse ano, usuários que criaram suas contas com menos de 13 anos – mesmo se já tivessem mais idade. Isso porque a rede disse que não poderia separar o conteúdo postado antes e depois dos 13 anos e que não poderia ter o conteúdo de uma criança na plataforma.

É importante ficar de olho em menores de idade na internet e em redes sociais. Acompanhamento, supervisão e monitoramento são palavras essenciais na rotina familiar. O diálogo dos pais com os filhos precisa ser uma prática diária, a fim de estabelecer limites e fazer parte de tudo o que as crianças têm acesso nas redes sociais e jogos online.

Conexão e segurança: o Google ajuda você a ensinar seu filho como usar a internet

Tem novo lançamento na área! Um estudo do Google revelou uma preocupação que a gente já estava sacando: as crianças estão cada vez mais cedo entrando no mundo online. Por isso, no dia 19 deste mês a empresa lançará no Brasil o projeto Seja Incrível na Internet.

Google montou uma combinação de game interativo com treinamentos para os professores e material didático, veja bem GRATUITO, para pais e professores sobre segurança na internet, cidadania digitar e ferramentas. Tudo para você conseguir instruir seu filho a ter uma melhor relação com o mundo online. A plataforma foca em cinco lições:

1 Seja inteligente na internet compartilhando seus dados pessoais com muito cuidado.

2 Fique atento: é bom ficar de olho bem aberto para não cair em armadilhas e reconhecer uma delas de longe sempre que precisar.

3 Seja forte na Internet protegendo todos os seus segredos. Nem todo mundo é o que parece online.

4 Seja gentil. O ciberbullying não pode ter vez!

5 Seja corajoso na Internet: na dúvida, seu filho precisa aprender a conversar com alguém de confiança.

A ideia é incentivar o diálogo sobre internet entre três pessoas: você, seu filho e o professor. Orientando esse grupo, o Google acredita que as crianças irão acessar a internet com muito mais segurança e confiança.

Os jogo interativo voltado para o seu filho chama Interland. É gratuito e acessível pela Web, no game há quatro países e neles as crianças combatem hackers, phishers, oversharers e bullies, aprendendo sobre os termos e descobrindo como se defender.

(Foto: divulgação)

(Foto: divulgação)

Para pais e professores a empresa fez uma parceria com a Internet Keep Safe Coalition com o objetivo de criar um currículo bem legal para ser usado na sala de aula, esse tem tudo a ver com os 5 princípios que a gente comentou antes.

(Foto: divulgação)

(Foto: divulgação)

Leia mais:

Pense duas vezes antes de postar sobre seu filho nas redes sociais

10 coisas que você não deveria compartilhar nas redes sociais

Conectados! 86% das crianças e adolescentes têm perfil em alguma rede social