Jogador confessa matar o próprio filho e quebra o silêncio sobre motivação do crime

Cevher Toktas confirmou o assassinato somente 11 dias após o caso e contou como teria planejado tudo, além de dar um depoimento às autoridades do país

Resumo da Notícia

  • O jogador confessou o crime 11 dias após a morte do filho
  • Às autoridades, o pai contou qual foi a motivação
  • A família do menino não sabia o que tinha acontecido
  • A suspeita inicial da morte era coronavírus
O pai deu um depoimento sobre o motivo de ter feito isso com o filho (Foto: reprodução / vídeo YouTube)

Cevher Toktas, um jogador de futebol turco de 32 anos, confessou que matou o próprio filho 11 dias após os médicos considerarem a causa da morte como natural. De acordo com informações do jornal britânico The Sun, o menino foi levado ao hospital no dia 23 de abril por apresentar febre alta e dificuldades de respirar.

-Publicidade-

Kasim, de apenas cinco anos, estava com suspeita de coronavírus e passava a quarentena em casa com o pai. Quando foi levado às pressas ao Hospital Infantil Dortcelik, em Bursa, na Turquia, ele ficou lá por duas horas e acabou não resistindo.

A morte havia sido considerada como “natural” por ele estar com sintomas de coronavírus (Foto: reprodução / vídeo YouTube)

Como os sintomas eram muito comuns aos do vírus, as autoridades não suspeitaram que algo poderia estar errado. No dia seguinte ao óbito, ele foi enterrado e a mãe e a família também achavam que a causa era covid-19, visto que 140 mil pessoas estavam infectadas no país. O jogador chegou a publicar uma foto em despedida: “Não confie no mundo”, escreveu na legenda.

-Publicidade-

Dias depois do morte do filho, Cevher foi à delegacia e confessou o crime. De acordo com as autoridades, o homem disse que sufocou o menino com um travesseiro enquanto estavam no hospital. “Eu pressionei um travesseiro no meu filho, que estava deitado de costas. Foram cerca de 15 minutos. Meu filho estava lutando durante esse tempo. Depois que ele parou de se mover, levantei o travesseiro. Depois, gritei aos médicos para ajudar a afastar qualquer suspeita de mim”, dizia a declaração.

O jogador afirmou que não gostava do próprio filho (Foto: reprodução / The Sun)

Aos investigadores, o pai teria dito ainda que “não o amava” e que nunca tinha gostado dele “desde que nasceu”. O jogador afirmou que a única razão por ele ter feito aquilo era a de não querer o menino e explicou não ter problemas mentais. Cevher será julgado e as autoridades realizaram a exumação do corpo.

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-