Mãe anuncia recém-nascido na internet por R$ 2 mil e fala que a filha de 4 anos virá de brinde

A venda do bebê seria feita online

Imagem do anúncio (Foto: reprodução / Miami Herald)

Na última sexta-feira, 22 de novembro, agentes de Miami estão investigando um anúncio suspeito, sobre a venda de um bebê no site Craigslist. O recém-nascido viria acompanhado também de uma criança e custariam US$ 500, o equivalente a R$ 2 mil aproximadamente.

-Publicidade-

O anúncio dizia: “Bebê é 2 semanas de idade. Ele dorme, não faz barulho à noite. Fórmula e roupas também serão inclusas. Além de uma irmãzinha de 4 anos de graça.” Os investigadores ainda estão checando se a publicação seria uma farsa ou se realmente estavam tentando vender as crianças.

A mulher disse que também daria a filha de 4 anos (Foto: Getty Images)

O Departamento de Polícia da Flórida deu início às investigações no mesmo dia, assim que o anúncio foi publicado na internet. Ele ainda continha informações como: “Vivo em um bairro tranquilo e influente. Trabalho para o Departamento de Crianças e Famílias e não quero ser julgada por não querer essas crianças“. A postagem já foi tirada do ar pela plataforma.

-Publicidade-

Fábrica de bebês

As mulheres sofreram muito na mãe dos estupradores (Foto: reprodução/BBC)

O tráfico de pessoas é real e tem alimentado um enorme mercado de “fábricas de bebê”. Na última segunda-feira, 30 de setembro, por exemplo, 19 meninas foram liberadas de um cativeiro em Lagos, na Nigéria. Eram mulheres de 15 a 28 anos que viviam apenas para engravidar.

Elas eram literalmente tratadas como “máquinas de bebês”, elas engravidavam, davam à luz, amamentavam e depois tinham os seus filhos retirados delas. Os bebês seriam vendidos pelo valor de até 5 mil reais. O pior dessa história é que todas essas meninas foram sequestradas, elas não participavam disso por vontade própria.

Infelizmente, segundo a BBC, essas “fábricas de bebês” são facilmente encontradas nos países mais pobres da África. A emissora levantou dados e descobriu que apenas em 2018 e na Nigéria, foram 160 bebês resgatados de ambientes como esse.

Na operação de segunda, o jornal local, Vanguard afirma que apenas 4 recém-nascidos foram encontrados. Ainda segundo a fonte da cidade, as meninas foram atraídas para essa região com falsas promessas de emprego.

Mas chegando lá, eram levadas para uma casa, ficavam em cativeiro e eram estupradas. Algumas das meninas resgatadas conversou com o Vanguard e com a BBC. O relato delas é de mexer com qualquer um. “Uma mulher veio me buscar no ponto de ônibus e me trouxe aqui. No dia seguinte, fui convocada por essa senhora, ela me disse que eu não deixaria as instalações até o próximo ano. Até agora, dormi com sete homens diferentes antes de descobrir que estava grávida. Disseram, após o parto, eu seria bem-pago“, contou uma.

Meu telefone e todo o meu dinheiro foram tirados de mim. Recebi um celular simples, um que não era Smartphone. Eu não podia sair de casa nem para procurar ajuda médica“, disse outra. A BBC ainda afirmou que as meninas e os bebês estão sendo realocados para um abrigo.

Leia também:

Mãe “vende bebê” pela internet e a história não é bem o que parece

Absurdo! Bebês são vendidos ilegalmente enquanto pais esperam na fila de adoção

Pai induz trabalho de parto da filha e entrega bebê a desconhecida: “Choro todos os dias

-Publicidade-