Notícias

Pais de ator da Disney comentam pela primeira vez sobre a última noite de vida do filho

Cameron Boyce faleceu durante um ataque de epilepsia enquanto dormia

Maria Luiza Cardone

Maria Luiza Cardone ,Filha de Carla e Luiz

Pais de ator comentam sobre a morte do filho pela primeira vez (Foto: reprodução/Instagram)

Cameron Boyce, ator da Disney, faleceu no último dia 6 de junho aos 20 anos de idade. Os pais explicaram que o ator já tinha um quadro grave de saúde que causou a morte súbita do jovem. Segundo os médicos, o ator teve um ataque de epilepsia enquanto dormia.

Em entrevista ao programa Good Morning American, Victor Boyce, pai do ator, revelou pela primeira vez como foi a última noite do filho, e disse que Cameron teve uma noite completamente normal e bonita com sua família antes de morrer. “Na noite em que ele faleceu, saímos para jantar com ele algumas horas antes. Era uma noite familiar completamente normal e bonita. Não havia nenhuma indicação de que algo estava errado. Quero dizer, não havia como saber que dentro de algumas horas meu filho estaria morto. Foi simples, incrivelmente louco e horrível. E nós estávamos mandando mensagens naquela noite”, desabafou o pai do ator.

A mãe também desabafou sobre a perda prematura do filho: “Ele não queria que sua epilepsia o definisse (…) Ele amava a vida. Ele estava em um lugar onde realmente estava feliz. Quero dizer, Cameron sempre foi feliz, nunca uma coisa negativa saiu de sua boca. Nunca! Mas ele estava realmente encontrando seu ritmo”.

Após a morte, a família de Cameron, anunciou a criação da Fundação Cameron Boyce. Uma organização que tem como objetivo fornecer aos jovens opções contra a violência e à negatividade. A Fundação foi criada em 2019 em homenagem ao legado do ator. “Não vamos falar sobre isso, vamos ser isso! Vamos fazer o bem assim como Cameron. Vamos manter seu legado vivo!”, comentou os pais do jovem.

Epilepsia, o que é?

É uma síndrome que determina que um conjunto de células cerebrais se comportam de forma exagerada aos estímulos que o corpo dá, causando perturbações. Isso pode gerar um série de complicações médicas, as mais comuns são as crises de epiléticas que podem ser divididas em parciais (ocorrem em apenas um hemisfério do cérebro) ou totais (ocorrem nos dois hemisférios do cérebro). Na maior parte dos casos, as crises passam sozinhas, mas elas têm a tendência de se repetirem durante o tempo.

Leia também: 

Vacina contra H1N1: Saiba quem faz parte dos grupos de risco

Henrique Fogaça comemora aniversário da filha com foto e fala sobre a doença: “Juntos pela epilepsia”

11 mitos e verdades sobre a epilepsia