Pais

9 dicas para fazer a guarda compartilhada dar certo

Lembre-se: isso será muito importante para o seu filho

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Coordenação de horários. Dividir feriados. Embaralhar as crianças entre as casas. Compartilhar a custódia dos filhos nem sempre é fácil, especialmente quando você está tentando concordar com alguém com quem não pode mais ficar junto. A boa notícia: “Estudos mostram que as situações de guarda compartilhada funcionam melhor quando ambos os pais são cooperativos, respeitosos, concordam e gerenciam suas emoções”, diz JoAnne Pedro-Carroll, psicóloga clínica. Por isso, alguns especialistas compartilharam as melhores regras para fazer a custódia compartilhada dar certo para você e seu ex.

Não fale mal 

“Falar mal do ex vai ser internalizado pela criança porque eles são feitos de você e do seu ex”, diz David Pisarra, advogado de direitos dos pais no MensFamilyLaw.com e autor de A Man’s Guide To Child Custody. Se você falar coisas negativas do seu ex, seu filho vai entender que ele é uma pessoa ruim. “Mesmo que você esteja chateado com o seu ex, seu filho ainda o ama como pai ou mãe. Independentemente dos seus sentimentos em relação a isso, guarde-os para si mesmo”.

Não é sobre você 

O divórcio foi sobre você, mas a guarda é sobre as crianças. Isso não é sobre conseguir exatamente o que você quer ou mesmo exigir patrimônio a qualquer custo. “A parte mais difícil para os pais é lembrar que o tempo com a criança não é um prêmio a ser ganho, mas um presente a ser valorizado”, diz David. A custódia compartilhada funciona melhor quando ambos os pais deixam de lado o ego e percebem que o que é melhor para a criança nem sempre é o que é bom para você.

Seja realista sobre o seu próprio cronograma e compromissos 

“Muitas vezes, durante uma separação ou divórcio, os pais cometem uma falta irreal de custódia baseada em medo ou insegurança”, diz Laura Wasser, advogada de divórcio de celebridades em Los Angeles. Em vez disso, veja a custódia como um acordo comercial. Remova suas emoções da situação e veja os fatos.

Escolha um arranjo de guarda que acomode a idade, as atividades e as necessidades de seus filhos