Pais

9 perguntas para se fazer quando estiver se sentindo uma péssima mãe

Todos os pais têm dias bons e ruins. Não se cobre demais!

Jéssica Anjos

Jéssica Anjos ,filha de Adriana e Marcelo

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Honestamente, sabemos que a maternidade é cheia de bons e maus dias. É difícil ser mãe com toda a pressão que a ideia de que existem pais perfeitos traz. Mas a gente não veio colocar panos quentes, educar uma criança provavelmente será o maior desafio que você enfrentará na vida.

Durante esse percurso é provável que você dê cara com períodos em que se sentirá a pior mãe do mundo, é normal – se trata da famosa culpa. Porém, não seja tão dura consigo mesma. Se você quer o melhor para o seu filho já está fazendo muito por ele. O site PopSugar listou 9 perguntas para você guardar e usar nos dias em que estiver se sentindo uma péssima mãe. Elas vão te ajudar a pensar com clareza e aliviar a dor no seu peito.

1. Você perdoa seu filho pelos erros dele?

Quando seu filho, sem querer, acaba quebrando sua caneca favorita, como você reage? Os pais que reservam um momento para se acalmar antes de conversar com o filho encontrarão oportunidades de demonstrar amor incondicional – fica a dica! Ao deixar que seu filho saiba que você o perdoa com um abraço ou outro gesto, você cria espaço para o aprendizado. Enquanto rega seu filho com amor, você pode incentivá-lo a ser mais cuidadoso e aprender que acidentes acontecem.

2. Você tenta aprender mais sobre seu filho?

Você foi chamado pela escola para levar seu filho para casa porque ele foi rude com o professor. O que você faz? Pais que se sentam com o professor para descobrir o que aconteceu – com o filho presente – abrem oportunidades para aprender. Por exemplo, seu filho pode estar sofrendo bullying e seu mau comportamento é um pedido de ajuda. Ou talvez o seu filho estivesse tendo um dia ruim e ele precisa aprender como tratar os outros melhor quando estiver chateado.

 

3. Você ensina seu filho sobre dinheiro?

Você recebe sua conta telefônica mais recente e descobre que seu filho está baixando jogos e o valor saiu muito maior do que de costume. Como você responde?

Pais que se acalmam e fazem um plano para resolver o problema antes de falar com o filho, serão mais tranquilos na hora da conversa. Você precisará ajudar a criança a entender por que ele não pode baixar todos esses aplicativos.

Há uma consequência para todos quando um membro gasta mais do que a família pode pagar. Você precisa ajudá-lo a entender o valor do dinheiro encontrando uma forma de pagar a família, o que poderia ser uma redução da mesada ou nada de pizzas durante um tempo.

4. Você responsabiliza seu filho pelas atitudes dele?

Seu filho puxou o rabo do gato e ficou agora está todo arranhado. O que você faz?

Pais que cuidam dos ferimentos de seus filhos e dão ao gato algum espaço criam espaço para aprendizado e compaixão. Depois que eles se acalmarem, você pode ajudar seu filho a entender que o gato precisa de respeito e cuidado.

Você pode pedir ao seu filho para imaginar ser o gato e ter o rabo puxado. Ajude seu filho a ver que o ataque do gato foi resultado de um maltrato.

5. Você ensina ter filho a ter responsabilidade?

Pais que tratam as travessuras das crianças com mais senso de humor irão ajudá-la a lidar com qualquer desafio. Lembre-se de que há sempre uma maneira de contornar o incidente que ajudar seu filho a aprender com o erro. Você pode incentivá-lo a ser mais cuidadoso com suas roupas e dar um reforço positivo quando ele vier da escola com as roupas limpas. Alguma recompensa como pizza no jantar!

 

6. Você faz com que seu filho tenha certeza de que é amado?

Você entra no quarto do seu filho e descobrir que ele marcou a parede com tinta, giz de cera e marcadores de feltro. O que você faz?

Os pais devem entender que brincar e testar o seu poder faz parte do crescimento do seu filho. Você não precisa esconder sua decepção, mas é importante que ele saiba que não há nada que o impeça de amá-lo. Se seu filho tiver idade suficiente, você pode pedir que ele ajude você a limpar a bagunça.

 

7. Você escuta seu filho?

Você teve um dia estressante e seu filho quer falar sobre algo importante que aconteceu na escola, mas você quer ficar sozinho. O que você faz?

Os pais que cuidam bem de si mesmos terão habilidades para saber como lidar com essa situação. Se você não puder ouvir no momento, defina um tempo para ouvir as histórias dele assim que puder.

Deixe seu filho saber que você quer ouvir o que ele tem a dizer, mas você precisa de alguns minutos para se acalmar antes de dar toda a sua atenção. Não deixe que ele se entristeça. Reserve um tempo para ouvir.

8. Você consola seu filho nos dias ruins?

Seu filho está de mau humor. Ele não consegue dizer nada de bom. Você está no final da sua paciência. Como você responde?

Os pais que sabem que alguns dias serão duros encontrarão uma maneira de superar esse problema. Você faz o seu melhor para passar o dia bem, não importa como seus filhos estão agindo. As crianças são como adultos. Eles também têm dias ruins. Às vezes nem sabemos porque estamos chateados. Às vezes, a única maneira de resolver um dia ruim é dormir bem e começar de novo no dia seguinte.

9. Você ensina seu filho a compartilhar?

São as férias de verão e seus filhos brigam sobre quem é a vez de jogar no computador. O que você faz?

Os pais que vêem essas disputas como oportunidades de aprendizagem farão o melhor possível ajudando os filhos a aprenderem a importância compartilhar. Tudo é uma oportunidade! Permitir que seus filhos fiquem sem fazer nada pode ser uma excelente chance de incentivá-los a usar a imaginação. Você está ajudando a aprender que eles não vão conseguir o que querem na hora que querem. A vida é aprender a cooperar e esperar sua vez. Compartilhar é uma habilidade essencial que melhora os relacionamentos.

Em última análise, se você cuidar bem de si mesmo, estará preparado para lidar com todos os altos e baixos da vida em família, para que possa ser a mãe que deseja.

Entenda que cada família é de um jeito e funciona de maneira diferente. Você é a melhor pessoa para saber sobre o que seu filho precisa. E acredite em nós: você está fazendo um bom trabalho!

Leia também:

Aborto espontâneo: a culpa não é sua!

Culpa não, com Fernanda Gentil

Culpa não: pegue leve no trabalho para curtir mais as férias com as crianças

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não