Pais

Especialistas defendem: “Uma criança que sempre tem tudo cresce sem a chance de buscar opções”

Vivemos a era da abundância, mas nossos filhos precisam de situações de escassez para desenvolver habilidades que são essenciais para enfrentar os desafios da vida real

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

É preciso lembrar que a escassez nos faz desenvolver habilidades essenciais para lidar com os desafios que a vida traz (Foto: Getty Images)

Roberta e Taís Bento são mãe e filha, embaixadoras da Pais&Filhos, e fundadoras do site SOS Educação. Elas sempre trazem algum assunto ou reflexão sobre a educação das crianças e como os pais podem ajudar (e aprender junto também!). Leia o texto delas abaixo:

“Pesquisas mostram que o número de pertences que temos hoje é imensamente maior do que nossos pais ou avós tinham. Se temos que ser gratos pelos benefícios que essa abundância traz, é preciso também lembrar que a escassez nos faz desenvolver habilidades essenciais para lidar com desafios que a vida continuará a trazer.

Uma criança que tem sempre todos os recursos à mão acaba crescendo sem a chance de buscar dentro de si opções para mudar para melhor a realidade em que vive.

Muitas das questões relacionadas à baixa autoestima que eclodem conforme o aluno avança nas séries escolares poderiam ser prevenidas se, em casa, tivesse enfrentado situações de escassez controlada. O “controlada” significa simular a falta de algum recurso para que seu filho possa colocar em ação o seu potencial para buscar soluções e melhorar o ambiente em que está inserido.

O grande desafio dos pais é controlar a própria necessidade de se antecipar aos desejos dos filhos. Atender de imediato aos pedidos já impede que a criança tente resolver um desafio, antecipar-se a eles é ainda mais prejudicial, mesmo que a intenção seja a melhor possível. A dica para ajudar você, pai ou mãe, a controlar a vontade que tem de garantir que seu filho tenha tudo sempre à mão, é tirar o foco de você mesmo e colocar nele.

Quando entregamos tudo sempre pronto, o foco está em nós: na necessidade de sermos ótimos pais, de não deixar que eles passem a vontade que nós tivemos durante a infância. Foram os momentos de escassez, porém, que geraram em você a lembrança da sensação boa que foi conquistar aquele objeto do desejo.

Hábitos que parecem tão difíceis de serem criados carecem da escassez de algum recurso para que possam ser vistos de forma diferente. A leitura, por exemplo. Que tal criar momentos de escassez de tecnologia duas vezes por semana, durante trinta minutos? E nesse período deixar uma abundância de recursos para leitura disponíveis: quadrinhos, livros, cadernos, folhetos.

Que tal gerar a escassez de brinquedos em uma tarde do final de semana e oferecer abundância de natureza? Um passeio ao ar livre, só vocês, sem levar nada consigo é o caminho para esse equilíbrio. Para filhos mais velhos, a escassez de respostas prontas pode fazer milagres na forma como enxergam os estudos e o esforço necessário para aprender.

Troque o cenário sempre preparado para o jantar, o banho, o lanche pela mesa que precisa ser arrumada, pela roupa que precisa ainda ser guardada, pelo café que precisa ser preparado e veja seu filho amadurecer mais seguro, descobrindo-se mais capaz do que ele mesmo jamais imaginou!

Só não economize no reconhecimento e no carinho que seu filho precisa para crescer seguro e pronto a enfrentar os desafios que vierem!”

Leia também:

Taís e Roberta Bento falam sobre a importância da escola como rede de apoio: “Juntos é possível educar e ser educado”

Socorro! Meu filho não estuda!

Por que as matérias da escola não ficam na cabeça do seu filho igual às músicas?