Pais

Ex-esposa do atual marido de Alicia Keys conta como o divórcio a afastou do filho

A autora Mashonda Tifrere compartilha como ela aprendeu a aceitar a separação do rapper Swizz Beatz

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: reprodução / Instagram @aliciakeys)

(Foto: reprodução / Instagram @aliciakeys)

A autora Mashonda Tifrere compartilha como ela aprendeu a aceitar seu divórcio do rapper Swizz Beatz e colocar as necessidades de seu bebê à frente de seus próprios sentimentos feridos. Hoje, ela se dá muito bem com o ex-marido e sua atual esposa, a cantora Alicia Keys:

“O planejamento é a nossa maneira de nos enganar e acreditar que realmente temos a última palavra sobre como nossas vidas vão se desenrolar. Eu definitivamente tinha um plano de como eu queria experimentar a maternidade e o casamento. Eu mantive em minha mente uma imagem doce de morar em uma bela casa com meu amoroso marido e três bebês, todos nascidos exatamente com um ano de diferença. Não foi assim que funcionou; meu marido, [Kasseem Dean, o rapper conhecido como Swizz Beatz], e eu nos separamos em 2010, um ano depois do nascimento do meu filho. [Dean se casou com a cantora Alicia Keys mais tarde naquele ano.]

Como fazer isso funcionar

Em meu livro,Blend: The Secret to Co-parenting and Creating a Balanced Family, eu descrevo os “Botões dos Pais”: quatro pontos imaginários que nossos filhos usam para se comunicar conosco: Atenção, Conexão, Energia ou Reset.

Quando Kasseem precisa de atenção, ele é sempre muito aberto sobre isso. Isso significa que ele quer que eu me envolva ativamente. Um jogo de tabuleiro, diálogo sobre algo que aconteceu na escola, ou talvez apenas um olho no olho da energia. Ele quer saber que estou no momento presente com ele.

A conexão geralmente exige um envolvimento mais profundo. Percebo que, quando meu filho precisa de uma conexão, geralmente é um longo abraço ou um tapinha nas costas pelo qual ele anseia. Um sussurro de “eu te amo” vai um longo caminho nestes momentos.

O poder é uma coisa complicada. Às vezes, é difícil entender o fato de que nossos filhos são mais inteligentes do que nós em muitos aspectos e, se dermos a eles o poder de expressar isso, estaremos deixando que eles ganhem.

Bem, deixá-los ganhar, às vezes, é bom. Permitir que eles ganhem o debate é uma forma de fortalecê-los. Eu dou a Kasseem o palco para expressar sua opinião e seguir seu próprio caminho. Eu nunca quero que ele se sinta pequeno. As crianças podem nos ensinar muito se simplesmente as deixarmos liderar de vez em quando.

Depois, há o Reset. Há momentos em que nós, adultos, só queremos ficar sozinhos. Isso não significa que estamos chateados ou indiferentes. Significa apenas que precisamos redefinir nossa energia. Quando Kasseem está realmente sobrecarregado ou tendo dificuldade em comunicar o que está errado, ele entra em um lugar que eu chamo de “desligar”.

Meu ego me fazia pensar que sua retirada era sobre mim, que era desrespeitoso que ele não estivesse expressando o que estava errado. Mas logo percebi que estava errado. Isso foi simplesmente a maneira de Kasseem desligar e redefinir. Não foi uma coisa negativa. Como pais, devemos lembrar que as crianças também precisam de um momento para relaxar.

É vital que nos conectemos profundamente com nossos filhos e prestemos atenção a todos os sinais que eles apresentam. Precisei de um alerta para eu ver isso, mas não tem que ser assim. Não deixe que esses pequenos golpes na porta passem despercebidos. Esteja presente, apareça e ajude a restaurar a segurança que você e seu filho precisam para passar pelas próximas etapas de reprojetar sua família.

Leia também:

Conselhos para grávidas no Natal

7 mães famosas falam sobre ser feministas – e criar filhos feministas também!

Famosos abriram o coração e falaram sobre a condição genética e doença dos filhos