Pais

Mãe sai do emprego para cuidar de filha autista e cria loja de produtos infantis

Karoline recebeu o diagnóstico aos dois anos de idade

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

A relação entre mãe e filhas foi fortalecida (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal)

Hoje é o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, presente em uma a cada 59 crianças, segundo o Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Por essa razão, a história escolhida do Projeto Nascer de Novo, em parceria com a Brascol foi a de Karen Simão, mãe da Karine, de 7 anos, e da Karoline, de 9 anos portadora do Transtorno do Espectro Autista (TEA):

“Minha vida no empreendedorismo materno começou desde os dois anos da minha filha mais velha a Karoline. Descobri, através de algumas consultas com a equipe multidisciplinar do conjunto hospitalar Mandaqui, que minha filha é autista.

Ela não socializava com outras crianças da mesma idade, gostava de brincar somente sozinha no mundo dela e isso é uma das característica do TEA, além de outras que acabamos percebendo em seu desenvolvimento, como movimentos estereotipados e incômodo com barulhos altos.

Receber o diagnóstico foi como uma bomba que caiu sobre meu colo pois teria que abdicar de algumas situações, inclusive o meu emprego CLT, para me dedicar às terapias e estímulos integralmente. 

Conversei com o meu esposo e decidimos juntos que era o melhor a se fazer. Ao mesmo tempo, foi uma surpresa e alívio, pois poderia acompanhar o desenvolvimento dela. Nesse momento, o artesanato veio a calhar.

Desde menina, amo trabalhos manuais e resolvi aproveitar a oportunidade para entrar de cabeça nesse sonho. A ideia de empreender surgiu bem antes de engravidar, sempre tive vontade de ter meu próprio negócio e essa ideia ficou mais forte quando tive que sair do meu serviço e me dedicar a minha filha.

Então criei a @ateliekaruska, onde desenvolvo produtos infantis como acessórios de cabelo para meninas, laços e tiaras, brinquedos de pelúcia em crochê e objetos para decoração de ambientes.

Tive altos e baixos, pois o artesanato em si não é muito valorizado no Brasil, mas com muito esforço consegui continuar. O empreendedorismo materno me ajudou a ter mais flexibilidade para estar perto das minhas filhas. Hoje concilio muito bem a maternidade com a minha profissão de artesã, pois consigo acompanhá-las em suas rotinas: escola, terapias e lazer.

Assim, me permitiu acompanhar minha filha com TEA e ajudar de alguma forma em seu desenvolvimento emocional, físico e motor. Empreender nos possibilita de alguma forma estar ainda mais presente na vida de nossos filhos, além de termos uma renda para manter e ajudar no crescimento do nosso lar.”

Karoline foi diagnosticada com o grau mais leve do Transtorno do Espectro Autista, conhecido como asperger. A necessidade de deixar o mercado de trabalho possibilitou a mãe se dedicar as filhas e se encontrar no empreendedorismo. Se você também tem essa vontade, conte sua história pelo nosso direct do Instagram (@paisefilhosoficial) começando com “Projeto Nascer de Novo” e faça parte desse movimento. 

Leia também:

Mãe monta loja de roupa após ser assediada moralmente no trabalho e se demitir

Loja de bonecos representativos quer incluir as crianças na sociedade: “É brincando que se aprende”

Quer ter seu próprio negócio? Saiba como dar o primeiro passo e se organizar