Pais

Mãe vira empreendedora para acompanhar a filha de perto: “Nada se compara a isso”

Depois da dificuldade para gestar, Bárbara quer aproveitar cada fase

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

Bárbara mudou sua visão de mundo após o nascimento de Valentina (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal)

Bárbara Manoel decidiu empreender após o nascimento da filha. Ao voltar da licença maternidade, muita coisa havia mudado, inclusive as suas prioridades. Buscando acompanhar o crescimento de Valentina de perto, ela se demitiu e criou uma loja de moda infantil:

“Após mais ou menos oito anos de casada em uma sexta-feira, descobri que estava grávida. Ficamos muitos felizes, porém um dia depois tive um sangramento e como mãe de primeira viagem fui para o hospital.

Após alguns exames, o médico teve a suspeita de uma gestação ectópica. Eu estava tão feliz que nem sabia o risco que corria. Há dias eu estava com dores na lombar, mais achei que não era nada.

A equipe médica do hospital informou que poderia ser algo sério, e eu e o bebê poderíamos ter complicações pois já estava grande e se a trompa rompesse eu poderia ter uma hemorragia grave.

A partir desse momento, eu já fui internada e tive que ficar em repouso absoluto por mais 2 dias. Após esse prazo, foram feitos novos exames e tive a confirmação da suspeita. Fui operada no dia seguinte e retirei a trompa.

Durante o procedimento, também fui diagnosticada com endometriose nível 4 (o motivo de todo esse processo, mesmo eu sempre reclamando com minha ginecologista de cólicas).

Depois de um ano desse fato, fiz uma nova cirurgia com 5 horas de duração para tratar a endometriose e eu nem queria saber de gestação. Mas dois anos se passaram e eu e meu marido resolvemos tentar.

Foi nesse momento que descobri que a probabilidade de engravidar de forma natural com apenas uma trompa parcialmente obstruída era muito pequena. Fui em três médicos que me indicaram fertilização, mas o que conhecia disse: “Para Deus nada é impossível, vamos tentar 6 meses no método convencional e se não der certo vemos outras alternativas”.

Deus sempre foi muito generoso comigo e em 2 meses engravidei. No final da gestação, descobri um tumor de tireóide, mas minha esteve comigo. Tive minha filha com 38 semanas, também tirei a glândula e me recuperei muito bem, com minha filha saudável.

Em todo esse processo, eu trabalhava em um banco e com o fim da licença, a Valentina foi para a escola (com pessoas maravilhosas). Deixava ela às 8:30 da manhã e buscava na casa de uma amiga às 20:30.

Na empresa ocorreram muitas mudanças e fiquei com uma culpa sem tamanho por deixar aquela bênção de Deus o dia todo com terceiros. Nunca vou esquecer o dia que ela ficou doente.

Meu esposo foi buscá-la na escola e foi para o hospital às 14:00, cheguei no hospital às 20:00. A minha filha estava super abatida e pedindo o colo da mãe. Não pude sair do trabalho antes, pois já tinha faltado há dois dias porque minha filha estava doente e não tinha com quem deixar.

Esses fatos me marcaram muito e me fizeram ir atrás de um outro tipo de vida. Eu queria e precisava de uma carreira, estudei e estudo para isso, mas também preciso cuidar da Valentina.

Assim, depois de 14 anos de empresa, sai e resolvi dar novo rumo. Estou no começo dessa jornada de empreendedora, abri a Mon Soleil Kids esse ano, uma loja virtual de roupas infantis.

O site já está quase pronto e ainda tenho muito trabalho a fazer. Mas nada se compara a poder trabalhar e também acompanhar de fato o crescimento de um filho.”

Se você também criou um negócio próprio e quer uma ajuda para alavancar, participe do projeto Nascer de Novo. Nessa parceria com a Brascol, estamos recolhendo o depoimento de várias empreendedoras e, ao final, 10 serão selecionadas para apresentar sua ideia para uma bancada de especialistas.

Leia também:

Mãe cria doceria após demissão do trabalho: “Decidi que seria minha própria patroa”

Mãe faz do hobby seu negócio próprio e cria loja infantil

15 filmes que toda empreendedora precisa assistir