Pais

Não é tudo igual!

Em homenagem ao Dia das Mães escolhemos cinco mulheres, bem diferentes entre si, para reafirmar nossa crença: crie seus filhos do seu modo

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Ana Castelo Branco, mãe de Mateus, 1 ano, e Helena, 4 meses, publicitária

Nascida em Brasília, Ana mudou para São Paulo por causa da profissão, que sempre lhe deu muito prazer – trabalhava frenéticas 12 horas por dia. Conheceu Marcelo, casaram-se, mas as crianças só vieram onze anos depois. Mateus nasaceu com síndrome de Down. Mas o tempo levou embora o sobressalto. “O susto que ele me deu quando nasceu compensou sendo um bebê muito fácil”, conta. Por causa de Mateus, Ana deixou o emprego – o que não foi nada fácil -, a fim de se dedicar ao desenvolvimento do filho. Hoje, trabalha de casa como freelancer, ainda em publicidade. Quando o mais velho tinha a penas 5 meses, Ana descobriu que estava grávida de Helena. Aos finais de semana, a família toda vai para casa de praia, em Ilhabela, onde Marcelo tem um veleiro. Adepta de um estilo básico, ela não dispensa um jeans com camiseta, mas gosta de complementar as produções com um salto alto – o look minimalista pode ficar cheio de estilo!

 

TESOUROS DE FAMÍLIA

Helena, a caçula, não resiste ao sono quando está perto da sua girafa. “Ela dorme instantaneamente”, cona Ana.

Embora Brigitte seja de uma raça que é conhecida pela ferocidade (dogo argentino), a cachorra da família – que veio antes das crianças – é, na verdade, um doce de bicho e xodó de Mateus: “Bi” foi uma das suas primeiras palavras

O mais velho de Ana ainda não vai à escola, mas solta a criatividade em pequenas telas, que ficam espalhadas pela casa.

Bola e carrinhos estão entre as brincadeiras favoritas de Mateus. Esta bola foi presente do primo Gabriel.

Juliana Manzini, mãe de Isabela, 2 anos, designer de acessórios

Isabela foi uma criança muito planejada e esperada. Só que, durante a gravidez, o pai de Juliana adoeceu e faleceu. No hospital, pouco antes de morrer, fez um pedido à filha: que a neta fosse batizada com o mesmo mandrião (roupa parecida com um vestido) que já foi usado pelo avô, tia-avó, mãe, tio e por uma prima. O batizado foi marcada para os 8 meses de idade.

O mesmo charme de boemia meio cigana que perpassa a marca de acessórios de Juliana e seu próprio visual é transmitido para a filha; a linha  infantil, aliás, foi inspirada em Isabela. Juliana adora calças flare e abusa nos acessórios. Na sua produção – assim como na da filha – o colar dá o toque final.

TESOUROS DE FAMÍLIA

O carrossel de porta-retratos foi o presente da vó Nita, de 92 anos, bisa de Isabela.

Isabela foi a motivação de Juliana para a linha infantil de sua marca de acessórios. O colar foi um presente de mãe para filha.

O mandrião – aquele clássico traje de batizado que se parece com um vestido – circula pela família há 70 anos.

Silvia Kanakami, mãe de Julia e Diego, ambos de 6 anos, gerente bancária

Com um estilo clássico e elegante, que