Pais

Pai transgênero desabafa após cartório negar registro do filho

O caso aconteceu em Londres, na Inglaterra

Isabella Zacharias

Isabella Zacharias ,Filha de Aldenisa e Carlos

Freddy McConnell é um homem trans que deu à luz seu primeiro filho (Foto: Reprodução / Instagram @freddy.mcconnell)

Freddy McConnell, de 32 anos, repórter do jornal britânico The Guardian, é um homem transgênero que recentemente deu à luz seu primeiro filho. Porém, quando foi registrar o bebê em Londres, na Inglaterra, o funcionário responsável disse que ele só poderia ser registrado como a mãe da criança.

Então Freddy decidiu entrar com uma ação contra o cartório que é responsável por administrar os registros na Inglaterra, alegando discriminação. Durante o processo, ele pediu que o nome dele e do filho fosse por uma ordem de anonimato. Porém, a mídia pediu que a ordem fosse suspensa, com o argumento de que Freddy estava dirigindo um documentário sobre sua experiência de concepção, gravidez e o nascimento do filho, usando seu nome verdadeiro.

A história de Freddy saiu em muitos jornais e revistas (Foto: Reprodução / Instagram @freddy.mcconnell)

Proteger meu filho sempre foi e sempre será minha preocupação número um, esse era o propósito da ordem. Agora que o anonimato foi suspenso, eu aproveito a oportunidade para reforçar a necessidade de igualdade. Todas as crianças devem ter seus pais legais registrados em suas certidões de nascimento”, ele diz ao The Guardian.

A equipe jurídica disse que o sistema de registro de nascimento do Reino Unido não trata as famílias de forma igual e que Freddy está sendo forçado a ser registrado como mãe na certidão de nascimento do filho. O cartório respondeu que esse era o caso de todos os pais transgêneros, com ou sem filhos, e de mulheres trans que são obrigadas a serem registradas como pai em todos os casos.

Foto de Freddy durante a gestação (Foto: Reprodução / Instagram @freddy.mcconnell)

Karen Holden, advogada de Freddy, disse ao The Guardian: “Ter uma certidão de nascimento precisa é fundamental, porque ela fica com alguém por toda a sua vida e faz parte da sua identidade”. O caso foi ouvido na alta corte em fevereiro de 2019, porém terá outra audição para definir se Freddy terá o direito de ser registrado como pai da criança.

Leia também:

Pai transgênero fala sobre filho e desabafa: “Olhem para o amor e respeito que temos um pelo outro”

Pai transgênero dá à luz e desabafa: “Eu não me vejo menos homem por causa da gravidez”

Casal transgênero recorre a inseminação feita em casa para ter filhos