Família

5 dicas para cuidar do seu pet na estação mais quente do ano

Afinal de contas, ele também faz parte da família!

Rhaisa Trombini

Rhaisa Trombini ,Edileyne e Geraldo

Esses pets fazem parte da família (Foto: Getty Images)

Se nem a gente sabe lidar com esse calor, imagina os animais. Nessa época do ano, os cuidados com cães, gatos e animais silvestres deve ser redobrado, principalmente cães com focinho achatado, como bulldog francês/ inglês, pug, boxer e shitzu.

Marcello Machado, médico veterinário e gerente Técnico Nacional da Total Alimentos, dá algumas orientações de como lidar com esses membros tão especial da família durante essa época do ano!

Cuidado com os passeis e água deve estar sempre disponível! (GettyImage)

1. Alimentação

No verão, o metabolismo dos pets fica mais lento e ele gasta menos energia para o funcionamento do organismo. Logo, cães e gatos tendem a comer menos no calor. Além disso, eles procuram as horas mais frescas do dia para comer, então você deve alimenta-lo de manhã ou de noite.

Se você tem gato e  acha que ele não está comendo, não se assuste. Provavelmente está se alimentando de madrugada, pois além dos hábitos noturnos, é bem fresco.

“É importante lembrar que, incentivar a alimentação não significa deixar a ração do pet disponível a todo o momento. O alimento exposto pode oxidar, por causa do calor e da umidade, e ficar rançoso”, orienta Machado.

2. Banho

No verão, o ideal é que o tutor dê banhos nos cães de 15 em 15 dias. Mesmo que seja refrescante, o excesso de banho retira a proteção natural da pele e os expõe à alergias, fungos e doenças dermatológicas, que são ainda mais frequentes nos períodos quentes.

Mas se você não aguento o mau ador do seu pet por muito tempo, pode dar banhos semanais, porém lembrando de manter a água morna ou fria, em um local sem vento e em dia de sol. Com gatos é mais fácil ainda! As lambidas são a auto higiene, e também regulam a temperatura corporal. A dica para eles é uma escovação constante.

3. Hidratação

Cães e gatos precisam ter sempre água fresca, disponível em todos os momentos do dia. Os felinos precisam de mais atenção, pois, naturalmente ingerem menos água. “Oferecer água corrente, manter as vasilhas limpas, colocar gelo na água são dicas importantes para atrair o seu animal de estimação e incentivá-lo a tomar água”, aconselha Marcello.

Fique de olha também nos seus animais silvestres! (Foto: GettyImage)

4. Exposição ao sol

Assim como os humanos, os pets não podem ficar expostos durante os horários mais quentes do dia.

O primeiro cuidado é com o asfalto e as calçadas. Passear por um tempo prolongado e em horários quentes pode causar queimaduras sérias nos coxins, as bolinhas da pata de cães e gatos. EVITE sair entre 10 e 16 horas e de preferencia para gramados.

“Uma dica é, antes de sair com o cão no asfalto, verifique com a mão qual é a temperatura do solo”, conclui o médico veterinário. “Se perceber que os coxins ficaram vermelhos ou com bolhas, procure imediatamente um médico veterinário, pois esse quadro é doloroso para os pets.”

“O cuidado deve ser redobrado para animais de pelagem branca, clara ou sem pelo, pois, infelizmente, os raios ultravioletas também causam câncer de pele nos pets.” explica Marcello.

5. Alergias

Alergias são causadas por vários motivos, principalmente por picada de pulgas e carrapatos, que são parasitas que ficam no ambiente durante bastante tempo.

Coceira e lambidas excessivas são os sinais mais frequentes. Se você reparar nesse comportamento, procure um médico veterinário para que ele indique o melhor tratamento.

No caso das alergias alimentares, os cães podem apresentar intolerância a algum tipo de proteína e precisar de alimentos específicos, junto com algum tratamento dermatológico, mas só o médico veterinário poderá analisar o caso para diagnosticar a alergia.

Os animais silvestres também merecem atenção! Deixe eles em lugar arejado longe do sol, com água sempre disponível e ração nas horas recomendadas pelo veterinário. Além disso, uma garrafa de água congelada por servir como um ar condiciando eficiente para os peludos!

Leia também:

Não é loucura: vontade de apertar bebês e animais tem explicação científica

19 fotos provam que o amor das crianças pelos animais não tem limites

85% dos acidentes com animais nas ruas ocorrem com cachorros