Família

Conciliar carreira e maternidade: nem sempre dá para encontrar o equilíbrio

Faça bom uso das suas novas habilidades

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

O mercado de trabalho é desigual entre mulheres e homens e piora quando elas se tornam mães (Foto: Getty Images)

Após a maternidade, a sua visão e relação com o mundo se transforma. Porém, não é só você que muda, as pessoas ao seu redor também transformam a visão e relação com você. Tanto para o lado positivo, quanto negativo.

Uma das maiores transformações acontece no ambiente de trabalho. Algo que Michelle Terni, mãe do Thomas e do Alex, sentiu na pele e por isso resolveu criar a Filhos no Currículo.

“Quando voltei da licença-maternidade, estava tentando ser a ‘mãe perfeita’ e acabei virando a ‘mãe checklist’, mais preocupada em ‘ticar’ todas as pendências do que em construir um vínculo com meu filho”, contou a empreendedora.

Esse ciclo vicioso fazia Michelle se sentir culpada e em dívida com os filhos. Mas essa sensação não é exclusiva dela. A vontade de querer sempre mais de si persegue você durante toda a criação e por conta do trabalho, é piorada.

A relação entre homens e mulheres no universo empresarial já é desigual. De acordo com o IBGE, as mulheres trabalham semanalmente, em média, 3 horas a mais que os homens e ganham apenas dois terços do que eles recebem. Esse quadro é ainda pior quando você tem filho.

Segundo o IBGE, as mães recebem até 40% a menos que mulheres sem filho. O problema é que todos os cuidados relacionados à crianças é visto como dever feminino. “Envolver o homem é parte da solução. Como pai, ele compartilha responsabilidades pela criação dos filhos e sua participação ativa pode minimizar a carga mental acumulada nos ombros da mãe”, sugere a sócia-diretora da Filhos no Currículo.

Conciliar carreira e maternidade não é uma tarefa fácil e, segundo Michelle, a busca por criar uma relação de presença, vínculo e conexão com o filho sem necessariamente abrir mão da profissão é um desejo e preocupação comum entre as mulheres.

Por isso, a especialista defende: “O primeiro estereótipo que precisamos derrubar é a visão de equilíbrio entre carreira e maternidade”, porque essa relação envolve escolhas que a cada momento pesarão mais para um lado da balança. O mais importante não é a quantidade, mas a qualidade do tempo em ambas posições. “Isso tem a ver com entrega, disponibilidade, intenção e presença”, diz Camila Antunes, também sócia da Filhos no Currículo e pedagoga.

Esse é o pilar central que as especialistas se baseiam no seu negócio próprio. “É sobre ressignificar a palavra ‘tempo’” e, para Michelle, é fundamental levar a discussão para o ambiente corporativo, e entender que ao se tornar mãe, você desenvolve novas habilidades.

“Mediar a briga entre os irmãos é uma excelente oportunidade para exercitar a gestão de conflitos num ambiente de trabalho”, brinca a empreendedora e completa: “Acreditamos que filhos agregam muito no nosso currículo”. Então explore suas novas características.

Mães são mais propensas a experimentar e já que o mercado não se mostra tão aberto à novidades, é bom ter um espaço só para vocês. Essa é a proposta do site Antes de Mim, uma rede social em que você pode compartilhar experiências com outras mães e ainda fazer uma renda extra anunciando aquelas peças que seu filho não usa mais.

Michelle comentou a importância de iniciativas como essa: “É uma forma que a mulher encontrou de estar no mercado de trabalho, mas não de forma integral” e considerando que você pode fazer tudo online e com o que já tem em casa, é uma saída bastante atraente

É isso mesmo. A maternidade te dá a chance de ser empreendedora e o Antes de Mim te ajuda nessa missão. Crie sua loja online, coloque os itens à venda e aproveite!

Leia também:

Chegou a sua chance de criar uma loja online: conheça o projeto Antes de Mim

Sacada de mestre: aproveite a época do ano para anunciar as roupas mais procuradas

Mãe cria brechó online para vender e comprar produtos seminovos: “Tudo o que podemos fazer de sustentável é válido”