Pais

Delivery de roupas infantis vira negócio após mulher se tornar mãe: “Nosso papel é facilitar a sua vida”

A Ninadora pensa nas mães modernas e oferece praticidade

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

Os looks são todos personalizados e a família tem tempo para experimentar à vontade (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal/Vanessa Maritza)

Viviane Garcia encontrou novas possibilidades após o nascimento de Vicente. A vinda do filho despertou na mãe a vontade de empreender e, assim, ela criou a Ninadora. Conheça melhor essa história:

“Sou formada em moda desde 2006, trabalhei mais de 10 anos como Gerente de Produto em marcas de Varejo de Moda em São Paulo e há 5 anos vim morar em Curitiba para trabalhar em uma grande indústria de beleza.

Minha vida mudou muito desde então, e com a chegada do Vicente em 2016, veio uma avalanche de mudanças. Pude olhar a vida por outro ângulo e enxergar novas oportunidades neste universo materno infantil que surgia.

Foram muitas pesquisas de mercado, conversas com grupos de mães para entender as necessidades. Muitas ideias, muitas reflexões e aos poucos a Ninadora surgiu em Agosto de 2018.

Uma curadoria de roupas novas e seminovas cheias de personalidade e energia boa. Pensei nas mães modernas que buscam praticidade e que se preocupam com o que consomem.

Mais do que uma mala de roupas delivery, nosso papel é facilitar a sua vida com muito estilo e consciência. Montamos malas com looks personalizados para bebês e crianças até os 3 anos tudo pensado no estilo da família.

Selecionamos marcas brasileiras cheias de histórias bacanas, valorizamos mães e mulheres empreendedoras, que tem todo o cuidado e carinho na criação de cada peça.

Usamos roupas feitas para crianças serem crianças, sem rótulos e padrões e sem aquela cara de ‘mini adulto’, mas cheio de estilo, conforto e consciência. Nenhuma mala é igual a outra.

Após enviada, fica na casa das famílias por 2 dias para que escolham e vejam o que já tem, o que combina e provar com calma. Sabemos que roupa de bebê é usada por pouco tempo e por isso queremos incentivar a economia circular.

Em cada mala, enviamos um saquinho para que a mãe doe peças que não são mais usada e direcionamos para orfanatos e lares carentes. Você encontra um destino para aquela peça que não serve mais e ainda ensina às crianças a fazer o bem a outras crianças.”

O empreendedorismo permite a muitas mães ter maior flexibilidade de horários. Se você seguiu por esse caminho após a maternidade, conte sua história via direct do Instagram (@paisefilhosoficial) e participe do projeto Nascer de Novo.

Leia também:

Mãe cria ONG para promover a inclusão de jovens com Síndrome de Down e a motivação é o filho

Roda de conversa entre mães vira negócio para mulher: “A carapuça não nos deixa mostrar fragilidade”

Mãe cria negócio para ter independência financeira: “Sigo com muita gratidão”