Pais

Finalmente! Após morte de criança na fronteira dos EUA, governo anuncia mudanças

Esse é o segundo caso em um mês. Entenda o que pode acontecer

Cecilia Malavolta

Cecilia Malavolta ,Filha de Iêda e Afonso

(Foto: Reprodução)

Esse é o segundo caso de morte na fronteira nesse mês (Foto: Reprodução)

Após outra morte de criança na fronteira dos Estados Unidos na noite de Natal, finalmente foi anunciado que médicos farão novos exames em crianças sob custódia por tentar atravessar a fronteira ilegalmente.

Esse é o segundo caso em menos de um mês em que uma criança sob responsabilidade do governo norte-americano morre. Dessa vez, a vítima foi Felipe Alonzo-Gomez, um menino de 8 anos. Kevin K. McAleenan, representante da autoridade responsável por vigiar a fronteira dos Estados Unidos, se manifestou e disse que “esta é uma perda trágica”.

Felipe foi diagnosticado com gripe e febre na manhã da última segunda-feira (24). Ele encaminhado a um hospital em Alamogordo, no Novo México, e saiu de lá com um pedido de antibiótico no período da tarde. Mas, durante a noite, ele voltou a unidade médica com vômitos e morreu logo após a meia-noite do dia 25.

Apesar de crianças até 10 anos serem examinadas por médicos na fronteira, essa metodologia está sendo revista após as duas mortes que ocorreram. Agora, outras opções de assistência médica estão sendo avaliadas para serem colocadas em prática.

Leia também:

Menina de 7 anos faz pergunta a Trump e a resposta do presidente divide opiniões

Ainda não está certo! Novo decreto de Trump causa danos irreversíveis nas crianças imigrantes

Uma jornalista americana caiu no choro ao noticiar a separação de famílias imigrantes nos Estados Unidos. E nós também