Criança

Mãe faz alerta após escola da filha de 5 anos não ajudar a menina que estava coberta de cocô

Você precisa conhecer a política do colégio do seu filho

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: iStock)

Todos os pais devem conhecer a política da escola em que o filho estuda (Foto: iStock)

A história de uma mãe da Carolina do Norte sobre o acidente de banheiro de sua filha serve como um lembrete importante de que todos os pais devem conhecer a política da escola de seu filho para ajudar com o cocô.

“Eu tive a experiência muito desagradável de ver o resultado de quando minha filha de 3 anos tentou limpar seu próprio cocô no penico. Vamos apenas dizer que parece algo saído de um filme de terror e por isso pedi a ela que, por favor, me chame para pedir ajuda quando acabar no banheiro.

Mas ela vai para a pré-escola dois dias por semana e eu sempre me preocupo com ela cuidando das necessidades dela lá. Eu pergunto a ela todos os dias quando eu a pego: “Você usou o penico?” e um dia ela me disse que segurava seu cocô porque os professores não iriam ajudá-la a limpar.

Eu não sei se isso é verdade, mas levantou uma questão interessante sobre o que os professores podem fazer neste reino. Uma mãe da Carolina do Norte diz que os professores se recusaram a ajudar sua filha de 5 anos depois que ela sofreu um acidente e quando ela veio para a escola, sua filha estava coberta de suas próprias fezes.

“Quando entrei no banheiro, ela levantou as mãos. Ela estava parada em um canto e fazia cocô nas mãos”, disse a mãe, que recebeu um telefonema da escola primária de Frazier, em Greensboro, informando sobre o acidente, em entrevista à WGHP-TV. “Ela tinha cocô nas mãos, nas pernas, nas costas, na frente. Havia cocô por todo o chão, nas paredes e na porta”.

A mãe, que não quis compartilhar seu nome completo, diz que sua filha estava sozinha no banheiro com um pacote de lenços, apesar do fato de que ela estava certa de que os professores cuidariam da situação. Compreensivelmente, esta mãe diz que estava com o coração partido por ver sua filha nessa situação.

Por sua parte, a diretora da escola Nicole Hill disse à WGHP-TV em comunicado: “Toda vez que um aluno ou família não se sente cuidado em nossa escola, estamos genuinamente preocupados. As Escolas de Guilford e a Frazier Elementary estão profundamente comprometidas em criar os melhores ambientes possíveis para os alunos aprenderem e prosperarem. Isso não ocorreu nesta situação específica, mas pedimos desculpas aos pais. Também estamos trabalhando para garantir que isso não ocorra novamente em nossa escola”.

Mas o estrago já tinha sido feito, pois a menina não queria mais ir à escola. “Tenho certeza de que ela está envergonhada e culpo a escola por não lhe dar a dignidade que essa situação merecia”, a mãe compartilhou triste.

Aqui está, finalmente, o que eu quero saber: por que eles diziam à mãe que o acidente seria resolvido se eles não cumpriram essa promessa? Eu ficaria muito chateada com esse aspecto se minha filha tivesse um acidente na escola. Realmente lide com isso, ou me diga para vir para a escola para que eu possa lidar. Não coloque a minha pequena em uma situação em que ela está sozinha, com medo e não sabe como se limpar adequadamente para que possa se juntar à sua turma.

Aliás, esta menina foi colocada em uma nova sala de aula com um novo professor. Mas a escola precisa ter uma política clara sobre como exatamente eles lidariam com uma situação semelhante no futuro. E eu preciso ter uma conversa com a escola da minha filha sobre o que eles fariam para que eu não seja pega de surpresa e minha bebê nunca esteja nessa posição verdadeiramente inaceitável.

Em geral, o Dr. Steve Hodges, professor associado de urologia pediátrica na Escola de Medicina da Wake Forest University explica que “temos que encontrar uma maneira melhor de gerenciar a saúde de eliminação nas escolas”. Embora a política de ajudar na limpeza varie de escola para escola, Hodges diz que muitos professores acreditam que as crianças podem cuidar de si mesmas no banheiro, mas isso não é necessariamente verdade.

Em geral, com a idade de 5 anos, as crianças vão ter problemas com a limpeza, diz o Dr. Hodges. Mas ele acrescenta que os acidentes de cocô são raros nessa idade. “Pode ser que ela estivesse segurando”, diz sobre a criança de Greensboro. E isso é um hábito muito pouco saudável de se adotar. Ele oferece estas dicas para ajudar as crianças a se prepararem para fazer cocô na escola:

– Diga para obter ajuda de adultos sempre que possível;

– Inspecione o banheiro da escola do seu filho para ter certeza de que ele é adequado para crianças com um banheiro baixo;

– Se você sabe que seu filho se esforça para fazer cocô fora de casa, fale com o professor de seu filho para que ele saiba e descubra sua política de ajudar no banheiro;

– Incentive seu filho a usar lenços umedecidos, o que os ajudará a se limpar com mais eficiência;
Fale com eles sobre como o cocô não é nada para se envergonhar, mas sim uma função corporal saudável, normal e natural.

Leia também:

Menino escreve carta para enganar a mãe e faltar na escola: “É verdade esse bilete”

Na dúvida sobre qual escola escolher para o seu filho? A gente te ajuda!

Saiba o que fazer quando seu filho não quer ir à escola