Bebês

Papa Francisco faz discurso emocionante sobre amamentar os filhos dentro da Igreja

Esse nos representa!

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: Getty Images)

Segundo o Papa, amamentar é uma linguagem do amor(Foto: Getty Images)

O líder da Igreja Católica expressou apoio às mães que amamentam, dizendo que a amamentação é uma “linguagem de amor”.

Embora muitas mães que amamentam continuem sendo alvo de críticas quando se trata de amamentação em público, é claro que elas têm um apoiador incrível: o Papa Francisco.

O líder da Igreja Católica está aparecendo em manchetes por conta de seus comentários sobre a amamentação em público. Durante um evento, ele se dirigiu às famílias de 28 crianças que deveriam ser batizadas na Capela Sistina, relatou a NPR.

Em resposta a alguns dos bebês exaustos que choravam, o Papa supostamente brincou que o concerto havia começado. A Rádio Vaticano notou que ele brincou dizendo que os bebês estavam chorando porque era um lugar desconhecido, ou porque tiveram que acordar cedo, ou às vezes simplesmente porque estavam ouvindo outra criança chorar.

“Jesus fez exatamente o mesmo”, disse o Papa Francisco, acrescentando que gostava de pensar no primeiro sermão de Nosso Senhor como seu choro no estábulo. “E se seus filhos estão chorando porque estão com fome, vá em frente e alimente-os, assim como Maria amamentou Jesus”, disse ele.

O comentário não é o primeiro que o Papa Francisco fez em apoio às mães que amamentam. Alguns anos atrás, na mesma cerimônia, ele incentivou as mães a amamentarem seus filhos se estivessem chorando ou com fome. De acordo com o Washington Post, ele disse: “Vocês mães dão leite aos seus filhos e mesmo agora, se eles choram porque estão com fome, amamentem, não se preocupem”.

A posição do Papa sobre as mulheres que amamentam na igreja – ou em qualquer lugar que seja público, na verdade – parece estar em desacordo com o que alguns frequentadores de igreja experimentaram, de acordo com diversos relatórios diferentes da NPR, como um no Christianity Today intitulado “Amamentação no banco de trás”.

Na peça, a escritora Rachel Marie Stone relembra: “Em uma viagem em família à Basílica de São Pedro, na Cidade do Vaticano, quando comecei a amamentar meu filho no santuário, fui levada por um guarda para o banheiro. Incontáveis outras mulheres cristãs, tentando alimentar seus filhos sem receber um sermão, enfrentaram a desaprovação de outros que acham que os seios não têm lugar no santuário”.

Com esperança, essas observações do Papa ajudarão as mulheres na posição de Stone a evitar situações frustrantes como a que ela recordou. Obviamente, é um dilema muito específico.

Mas as mães que amamentam não precisam realmente de homens para lhes dizer onde ou quando podem alimentar seus filhos. O que elas precisam é de seu apoio inabalável.

Leia também:

Papa Francisco fala sobre crianças homossexuais: “Não podemos condenar ou ignorar”

Criança autista rouba a cena em audiência do Papa Francisco e gera comentários: “Argentino e indisciplinado”

Seja alegre, é o Papa Francisco quem pede às grávidas