;
Criança

Projeto no Capão Redondo leva crianças para competições de natação no mundo inteiro

"Nosso objetivo é tirar eles da rua e formar cidadãos de bem, com estudo", diz Valdecir Pereira, um dos colaboradores

Rhaisa Trombini

Rhaisa Trombini ,Edileyne e Geraldo

O Projeto Talentos do capão existe há 8 anos (Foto: Divulgação)

O Capão Redondo é um dos maiores bairros periféricos de São Paulo. Localizado na região do Campo Limpo, ele tem uma população de 268.729 pessoas e seu nome significa “ilha de árvores”.

Notícias sobre crimes e violências no Capão costumam aparecer com frequência em diversos sites e jornais. Mas diferente do que muita gente acredita, ele tem muito mais para oferecer, principalmente aos seus moradores, muitas vezes pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Vários projetos sociais tomam conta das ruas do bairro, procurando dar uma oportunidade para aqueles que foram excluídos da cidade. O Talentos do Capão é uma dessas iniciativas, que acontece há 8 anos.

André Petrozziello e a esposa Ana Cristina começaram com o projeto dando aulas de natação a 14 crianças da região do Capão, mas eles chegaram mais longe e começaram a treinar cada um para grandes competições e triatlos.

Eles participam do máximo de competições que consegue (Foto: Divulgação)

Valdecir Pereira Gomes, pai do Vinícius Iuri Silva Gomes de 18 anos, apenas levava o filho para as aulas no começo, mas tornou-se um dos principais colaboradores do projeto depois que o filho foi convidado para participar de uma maratona aquática com 7 anos.

Hoje, o projeto cuida de aproximadamente 150 crianças e vive apenas de doações. Até o ex-nadador Xuxa já ajudou as crianças fazendo uma rifa para comprar o micro-ônibus que a equipe usa pra viajar. Mas, segundo Valdecir, as crianças também ajudam a arrecadar dinheiros para os materiais de treino, inscrições e viagens. Elas catam latinhas, fazem bazar, tudo para contribuir com o projeto que mudou a vida deles.

Valdecir disse que o principal objetivo do projeto é melhorar a vida das crianças, “tirar da rua e formar um cidadão de bem, com estudo.” Segundo ele, muitos alunos que já saíram do projeto fazem faculdade graças a bolsas de estudo que ganharam os patrocinadores e dos campeonatos. “Para a gente, formar um cidadão é melhor que um atleta. Formar um atleta ele vai ser um em um milhão, cidadão é todo mundo.”

Valdecir e André em prova nos Estados Unidos (Foto: Divulgação)

Qualquer criança que mora no bairro pode participar do Talentos do Capão. “Se tem força de vontade, estamos apoiando.” E os pais também tem participação importante no projeto. “Tentamos envolver os pais o máximo possível. Alguns começaram até a participar da competição junto com os filhos. Quando precisam de um motorista para o ônibus, mandam no grupo e vemos quem está disponível para dirigir, que tem a carteira certa”, explicou Valdemir.

Algumas crianças conseguiram competir duas vezes em Nova York, na travessia do rio Hudson. “Lá, um dos meninos do projeto ganhou a prova em primeiro lugar, na frente de um menino norte-americano.” Foram vários dias de comemoração nos EUA, tudo garantido pelo pelos organizadores de lá, sem precisarem pagar nada.

Eles chegaram a participar de provas no Estados Unidos (Foto: Divulgação)

Mas não é sempre que eles conseguem ir para os campeonatos, pois não tem patrocínio fixo e eles dependem das doações e arrecadações. “Tem 10 provas para fazer e vamos tentar participar de todas. Se der 10, beleza, se der 5, tudo bem”, explicou Valdecir.

Para doações, qualquer coisa é bem-vinda. “Doação para as crianças, para o bazar, pagando alguma inscrição.” Os interessados podem ligar a Associação Esportiva Talentos do Capão no número (11) 5873-4203. Eles ficam na Rua José Freire de Carvalho, 11, Jardim Clarice, em São Paulo.

Esse ano, as crianças vão participar da prova Fuga de Alcatraz, na Baía de São Francisco! Arrasem, pessoal!

Leia também: 

Quer ser a dona do seu próprio negócio? Conheça o projeto Nascer de Novo

Projeto transforma crianças com câncer em autores de livros e o resultado é o máximo!

Projeto Dodói permite tratamento mais humanizado para crianças com câncer