Família

Você precisa se preocupar: casos de sarampo no Brasil aumentam 900% e o motivo é absurdo

Os casos aumentaram explodiu nos últimos 4 anos

Isabella Zacharias

Isabella Zacharias ,Filha de Aldenisa e Carlos

Os casos aumentaram muito desde 2013 (Foto: Getty Images)

Desde 2018 até janeiro de 2019, o Brasil registrou 10.274 casos confirmados de sarampo. Os lugares com mais ocorrências são o Amazonas, que registrou 9.778 casos, e Roraima com 355. Em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Bahia, Pernambuco, Pará, Sergipe e Distrito Federal, tiveram alguns casos isolados.

Foram registrados 12 mortes causadas pelo sarampo: 6 no Amazonas, 4 em Roraima e 2 no Pará.

A vacina é a única prevenção contra sarampo (Foto:iStock)

O alerta foi feito por Lúcia Helena de Oliveira, assessora regional de Imunizações da Opas, Organização Pan-Americana de Saúde. O Brasil precisa reverter os surtos de sarampo até fevereiro de 2019, porque corre o risco de perder o certificado de eliminação da doença, concedido pela Opas em 2016.

De acordo com o Ministério da Saúde, os surtos estão relacionados à importação. Foram encaminhadas 15,5 milhões de doses de vacina tríplice viral. As autoridades sanitárias brasileiras estão correndo contra o tempo, porque os primeiros casos foram descobertos no início de 2018.

“Sabemos que os casos no Brasil são de importação, lamentavelmente, pelas condições de saúde em que vive a Venezuela.”, disse Lúcia Helena. A Venezuela está com o surto da doença desde 2017 e já perdeu seu certificado de eliminação. O genótipo do vírus que está circulando no Brasil é o mesmo desse país. “Mas só estamos tendo casos de sarampo no Brasil porque não tínhamos cobertura de vacinação adequada”.

Em 2017, o Governo do Estado de São Paulo divulgou um alerta sobre como evitar o sarampo durante uma viagem. As recomendações são:

– Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
– Lavar as mãos com frequência com água e sabão, ou então utilizar álcool em gel;
– Não compartilhar copos, talheres e alimentos;
– Procurar não levar as mãos à boca ou aos olhos;
– Sempre que possível evitar aglomerações ou locais pouco arejados;
– Manter os ambientes frequentados, sempre limpos e ventilados;
– Evitar contato próximo com pessoas doentes.

Ao retornar da viagem, você deve ficar atento se há febre, manchas avermelhadas pelo corpo, acompanhadas de tosse ou coriza ou conjuntivite, até 30 dias após seu regresso, estes podem ser sintomas do sarampo.

Leia também:

Pais que não vacinam são responsáveis pelo maior surto de catapora em Estado americano, mostra investigação

Sarampo: aumento dos casos são provocados por mentiras sobre a vacina

OMS divulga como as novas vacinas contra gripe devem ser feitas