Engravidar

Cada família se forma de um jeito: conheça 3 histórias de nascimento únicas

Mas todas elas são especiais, sempre

Logo-Parents (1)
Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: Laura Shockley Photography / Via Facebook)

(Foto: Laura Shockley Photography / Via Facebook)

Nem todas as passagens para a paternidade seguem o mesmo caminho. Separamos três histórias diferentes que provam que a chegada de um bebê é sempre motivo de alegria, mesmo com todas as dificuldades. Vem conhecer melhor Angie, Bernadette e Macara:

História de Angie

“Meu marido, Gary, e eu começamos a tentar ter um filho em setembro de 2006. Parei de tomar a pílula, mas não menstruava. O médico disse que poderia levar algum tempo para o meu corpo se ajustar, mas quando eu não tive meu período depois de vários meses, eu sabia que algo estava errado.

Comecei a tomar hormônios para induzir o meu período, mas não funcionou. Eu vi especialistas e fiz milhares de testes. Em dezembro fui diagnosticada com insuficiência ovariana prematura e nos disseram que não poderíamos engravidar sozinhos. Meu mundo caiu. Meu maior sonho era ser mãe. Nunca me passou pela cabeça de que eu e Gary não poderíamos ter filhos.

Nós tivemos opções, no entanto. Eu não poderia conceber um bebê, mas eu poderia tentar a fertilização in vitro usando um óvulo doador. Nós também podíamos adotar. Ambas as opções são caras, então Gary e eu levamos alguns anos para economizar dinheiro, pensar nas nossas escolhas e curtir nosso tempo como um casal. No final, decidimos adotar. Não é preciso genética para fazer uma família. Em vez disso, os ingredientes cruciais são amor, apoio e encorajamento.

Inscrever-se em uma agência de adoção é um processo intenso. Uma assistente social veio à nossa casa e submetemos formulários sem fim, o que levou