Mãe faz desabafo sobre visitar um recém-nascido após o parto: “Um ou dois dias é pedir muito?”

Katie fez uma publicação que se tornou viral no Facebook

Katie disse o quão desconfortável se sentiu sempre que o quarto estava cheio (Foto: Getty Images)

Na última quarta-feira, 4 de dezembro, Katie Bowman, de 29 anos, que é mãe de três, fez um desabafo pelo Facebook para fazer um apelo sobre a visita aos recém-nascidos. Com mais de 84 mil compartilhamentos, 38 mil reações e 12 mil comentários, a mulher publicou uma foto, na qual ela não se lembra quem fez o registro, e pediu para que as pessoas entendam mais as mães e lhes dê tempo.

“Uma imagem realmente vale mil palavras. Esta sou eu, quando mal tinha completado 24 horas que eu dei à luz meu filho mais velho. Eu não faço ideia de quem tirou a foto, mas você provavelmente já pode dizer como eu estava me sentindo só de olhar”, começou. Na imagem, Katie aparece observando uma mulher que está segurando o bebê dela no colo.

Com o título “Um ou dois dias. É pedir muito?”, a mãe desabafou sobre o momento: “Um ou dois dias para uma nova mãe compreender o fato de que um pequeno ser humano saiu do seu corpo. Um ou dois dias para ela finalmente tomar um banho e lavar todo o suor e o sangue do corpo dela. Um ou dois dias para ela superar a dor dos seus mamilos doloridos enquanto aprende a amamentar. Um ou dois dias para ela tentar dormir um pouco porque ela está absolutamente exausta“.

“Antes de ser introduzida à sua vida nova como mãe, você acaba de passar por um dos momentos mais doloridos, exaustivos e enlouquecedores da sua vida. O parto. Alguém se esqueceu de quão custoso isso pode ser tanto para o seu bem estar mental, quanto físico? A última coisa que você quer, então, é que todo mundo bombardeie seu quarto para brincar de passar o pacotinho antes mesmo de você ter tido a chance de se recuperar”, continuou.

Katie também falou sobre as coisas que estava aprendendo, ainda no hospital, inclusive a amamentação: “Aprender a amamentar não é fácil. Você não tira seu mamilo para fora, simplesmente, e seu bebê se conecta a ele como um ímã. Você tira seu peito inteiro, escorrega seu bebê para cima e para baixo, esperando que ele pegue. A enfermeira vem e te ajuda a massagear para sair algum colostro. Aí você tenta o outro lado, então, agora você está com os dois peitos para fora”.

Sobre a recuperação, Katie contou que o momento não foi nada fácil, e que precisou lutar durante os dias em que ainda estava no hospital para ficar bem. “Sua vagina e sua barriga estão em um mundo de dor. O mais comum é que haja um corte em algum lugar. Você luta para ficar confortável naquela cama dura de hospital, porque nenhuma posição parece boa. Você mal pode se sentar, ficar em pé, deitar ou andar. Honestamente, minha vagina ainda doeu por duas ou três semanas depois disso. O hospital não quer que você saia até que você esvazie seu intestino, com a sua vagina quase caindo também. Como você consegue, quando seu quarto está sempre cheio de visitas?”.

A mãe não se lembra de quem tirou a foto (Foto: reprodução / Facebook)

“Todo mundo está tão empolgado para ter uma foto com o novo bebê, que a nova mãe não tem uma foto com o próprio bebê dela. Eu tive que pedir para tirar uma foto minha, além dessa. As outras poucas que eu tenho mostram meu útero, nós deitados ali, nus e cobertos de sangue. Graças à minha santa parteira, que foi bondosa o suficiente para pegar meu celular e capturar as fotos mais preciosas que existem para mim. Daí em diante, a maioria é selfie”.

Com um assunto polêmico, Katie desabafa que as pessoas exigem ver o bebê assim que ele nasce apenas para satisfazer as próprias vontades, mas não pensam na mãe que está alí e de como isso é incômodo: “odo mundo quer exigir o direito de dizer que eles viram meu novo bebê em 24 horas. Eles simplesmente precisam satisfazer a vontade deles de segurar essa criança. Se você não permite que eles a visitem no hospital, você é egoísta, fresca, dramática. Então, as pessoas vêm com os comentários delas, tipo “Agora parece que você está grávida de 4 meses e não de 9″ ou “Você parece cansada”. Me desculpe, mas em que mundo é ok para você comentar sobre a aparência de uma recém-mãe? NÓS ESTAMOS TÃO FRÁGEIS AGORA! Se minha vagina não estivesse tão dolorida, eu teria feito um Kung Fu Panda no seu traseiro”.

“É claro que algumas pessoas mal podem esperar para receber visitas. Não é sobre isso. É sobre as pessoas que tentaram pedir para as visitas esperarem um dia ou dois, mas ficaram se sentindo como se tivessem dito para as pessoas que elas não poderiam fazer parte da vida do bebê. Eu me sinto tão amada porque todo mundo fica ansioso para conhecer nosso bebê e fico muito feliz que todo mundo queira fazer parte da vida dele. O que eu não sabia é o quanto era difícil tentar pedir para as pessoas ficarem longe por um dia. “Será só uma visitinha rápida”. Você estão tão cansada para discutir… Então, você senta e espera que eles façam o que quiserem com o bebê”.

Por fim, ela ainda deu um conselho sobre visitar os recém-nascidos na maternidade: “Da próxima vez que alguém que você conhece tiver um bebê, lembre-se de quão cansada aquela mãe parece. Sei que você está empolgado agora, mas lembre-se que não é um direito visitar um bebê. É um privilégio. Se isso te ofende, vá para casa e coloque isso em seu ‘livro do arraso'”.

Leia também:

Relato de mãe: “Jogaram álcool na minha filha porque ela é autista”

Relato de mãe: “Tentei desenterrar o meu filho por não aceitar que ele havia morrido”

Relato de mãe: “Ver minha filha de 3 anos perder todo o cabelo para a alopecia foi devastador”