Recém-Nascido

Moleira do bebê: saiba com o que você precisa se preocupar

Alta, baixa ou pulsando? Entenda o que é normal

Gabrielle Molento

Gabrielle Molento ,Filha de Claudia e Pedro

O que você precisa saber sobre a moleira do seu recém-nascido (Foto: iStock)

O que você precisa saber sobre a moleira do seu recém-nascido (Foto: iStock)

A moleira é um espaço entre os ossos do crânio do recém-nascido. Pode receber o nome de fontanela anterior – que é a maior e mais preocupante – e fontanela posterior. Elas permitem que os ossos se mexam para que a cabeça do bebê passe pelo canal do parto, além de deixar que o cérebro tenha espaço durante seu crescimento, até atingir o tamanho definitivo.

De acordo com o Dr. Clay Brites, pediatra, neuropediatra, um dos fundadores do Instituto NeuroSaber e pai de Helô, Gustavo e Maurício, alguns bebês parecem nascer sem a moleira. No entanto, muitas vezes não é possível sentir o espaço ao passar a mão na cabeça do bebê, mas ele está lá no raio-X. O espaço entre esses ossos fecha normalmente aos 18 meses de idade.

Moleira alta, baixa ou pulsando

Uma preocupação muito comum é sobre a moleira alta, no entanto, se você sentir um tato flexível ou almofadado, não tem problema. O que não pode acontecer é ela estar alta e tensa, o que é um sinal de que está aumentando a pressão no cérebro da criança por algum motivo – seja zika, meningite, hidrocefalia, ou outras doenças.

Já as moleiras fundas não significam nada se a criança estiver ativa, porém, se ela estiver quieta pode significar que o bebê está com pouco fluído no corpo, ou seja, desidratado. A moleira pulsando é outra coisa que pode causar preocupações, mas é completamente normal. “A cabeça do bebê é muito fina, por isso a pulsação do coração pode aparecer lá”, explicou Clay.

Tamanho normal da moleira

Nos dois primeiros anos de vida, toda criança precisa fazer avaliações regulares do perímetro cefálico, que é a circunferência da cabeça da criança. “A medição é feita com a fita passando 1 cm acima da linha dos dois olhos e pela borda superior da orelha – tem que ser exatamente nesse lugar, senão pode dar errado”, explicou o Dr. Clay.

A velocidade de crescimento desse perímetro cefálico varia de acordo com a idade da criança. Em crianças de 0 e 3 meses é normal o crescimento de 2 cm por mês, entre 4 e 6 meses deve crescer 1 cm por mês, e de 6 meses a 1 ano aumenta 0,5 cm por mês. É essa evolução, que também pode ser analisada numa curva usada na pediatria, que mede se o crescimento está normal ou não. O mais importante é a variação de velocidade de crescimento desse perímetro. Ela determina se a cabeça está crescendo rápido demais ou não está crescendo na velocidade esperada, gerando uma desproporção em relação ao corpo.

Medir cabeça do bebê recém-nascido (Foto: iStock)

Medir cabeça do bebê recém-nascido – Foto meramente ilustrativa (Foto: iStock)

Cuidados

É preciso ter alguns cuidados com a moleira do seu filho. O principal é ficar atento aos lugares pontiagudos. Também é preciso ter precaução com os irmãos, que muitas vezes querem segurar o bebê. “Se a batida em cima da moleira for leve e por objetos não pontiagudos, geralmente não tem problema. Os com ponta que são o problema. Outra coisa é que é necessário lavar bem a cabeça da criança para não ter infecções de pele”, explicou o médico.

Para que a cabeça do recém-nascido fique mais simétrica, é essencial variar a posição de deitar a criança. Se ela dormir sempre do mesmo lado, pode acontecer assimetria. “A Sociedade Brasileira de Pediatria indica que as crianças durmam de barriga pra cima, por ser mais seguro. Isso certifica que a criança fique com a cabeça mais simétrica, a não ser que ele tenha cranioestenose – que são ossos colados. Quando essa doença acontece de um lado, a cabeça cresce de forma torta”, disse Dr. Clay.

Leia também:

Não precisa se preocupar: a moleira não é tão frágil assim

Como cuidar e evitar doenças da cabeça dos bebês

Saiba 10 coisas incríveis e inusitadas sobre o seu recém-nascido