Saúde

Cientistas criam criança-robô com inteligência artificial que grita e simula dor

O vídeo tem mais de 86 mil visualizações no YouTube

Jéssica Anjos

Jéssica Anjos ,filha de Adriana e Marcelo

(Foto: reprodução / Youtube)

(Foto: reprodução / Youtube)

Sim, a criança-robô é realmente assustadora. “Pediatric Hal”, o nome do robô, não apenas parece com uma criança, mas também se comporta como uma. “Quero minha mãe!”. “Quero ir para casa!”, grita o boneco em desespero, em uma cama de hospital. Segundo a BBC Brasil, Hal tem pulsação, chora, sangra e pode até sofrer uma parada cardíaca.

Parece que ele está vivo, mas não está. O robô é a última tecnologia da medicina, foi criado para que estudantes de pediatria e médicos profissionais pudessem praticar vários procedimentos da profissão. A empresa responsável pela criação de Hal se chama Gaumard Scientific e tem sede em Miami, Estados Unidos.

Eles começaram a desenvolver o boneco para a Medicina durante a Segunda Guerra Mundial, de acordo com informações da BBC Brasil. O objetivo dos cientistas era que Hal se tornasse um “simulador de pacientes pediátricos mais avançado do mundo”. Apesar de todo o avanço, a aparência do boneco pode assustar um pouco as pessoas. Os engenheiros da Gaumard afirmaram ser decepcionante que muitos achem a criança-robô assustadora.

robô-hal-gaumard

A experiência é imersiva, de acordo com os criadores. O robô tem a capacidade de simular emoções humanas como medo, surpresa, raiva, preocupação, ansiedade e, principalmente, dor. Ele grita e chora!

Os médicos conseguem aprender a usar aparelhos que monitoram os níveis de glicose, ritmo cardíaco e até ressuscitar a criança em caso de emergência. Também dá para entubar, tirar sangue e suturar um ferimento. Ele sangra!

“Somos humanos. A medicina é estressante… se podemos praticar e ensaiar em uma simulação, então quando enfrentarmos uma situação real estaremos muito mais preparados”, explicou, em entrevista à BBC Brasil, a médica Jen Arnold, diretora médica de simulações do hospital infantil Johns Hopkins All Children’s, em Saint Petersburg, Flórida.