Saúde

Como saber se o bebê tem deficiência auditiva?

É importante que você esteja atento ao comportamento do seu filho

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

A audição é um sentido muito importante e que faz toda a diferença na vida de uma criança. Afinal, é por meio dela que aprendemos a maioria das coisas. Na escola, por exemplo, a criança passa a compreender e a interagir com o seu meio através da audição — sem escutar, ela pode ter problemas de aprendizado e rendimento escolar.

Para detectar a surdez nos filhos não é tão difícil: os pais precisam se atentar aos eventuais atrasos na comunicação e em como a criança interage com os sons de todas as intensidades e, assim, investigar a audição caso necessário. Não atender ao chamado do próprio nome e não reagir a barulhos, por exemplo, são sinais que você deve ficar atento, principalmente se seu filho ainda é um bebê.

Quatro em cada mil bebês nascem com algum tipo de deficiência auditiva no Brasil. O teste da orelhinha, obrigatório por lei e que deve ser feito nas maternidades, é o primeiro passo que pode mostrar se algo não está bom. Mas como suspeitar? Quais os tratamentos disponíveis? Quais as causas? A médica otorrinolaringologista, Dra. Jeanne Oiticica, mãe de Pedro e Rodrigo, explica sobre deficiência auditiva em bebês e crianças. Confira:

Quando a criança ainda é um bebê, deve ser mais difícil perceber problemas auditivos. Quais sinais podem servir de alerta para os pais?

A criança que não atende ao chamado do próprio nome. Que nem sequer balbucia sílabas simples quando o esperado pela idade é que já o fizesse. Que não se assusta com sons estridentes e não vira a atenção em direção à fonte sonora.

Algum teste que pode ser feito em casa?

A suspeita pode ser levantada caso algum desses itens acima seja percebido pelos pais ou cuidadores da criança. Por lei imposta pelo Ministério da Saúde, toda criança recém-nascida deve realizar o Teste da Orelhinha ou Triagem Auditiva Neonatal já nas primeiras 48 horas de vida, ou em até 28 dias após o nascimento. O objetivo é identificar precocemente se há surdez ou perda auditiva. Isso é importante porque quanto mais precoce o diagnóstico, melhor será a resposta da criança ao tratamento de reabilitação auditiva. O exame é indolor, não invasivo, realizado durante o sono do bebê pela fonoaudióloga, e dura em média entre cinco e 10 minutos.

Quando a deficiência auditiva é diagnosticada ainda bebê, é indicado que tipo de tratamento? Aparelho auditivo já pode ser usado?

Caso o bebê não passe no teste, o mesmo deve ser encaminhado para avaliação otorrinolaringológica mais ampla, e tratamento específico, que pode ser aparelho de amplificação sonora individual ou implante coclear.

A partir de qual idade é indicado o uso de aparelho auditivo?

O aparelho de amplificação sonora pode ser adaptado desde cedo, por volta dos 6 meses de idade e idealmente antes dos 2 anos de vida.

Os modelos são diferentes dependendo da idade da criança?

Existem modelos diferentes, mas o que direciona a escolha não é necessariam