Família

Estudo comprova que dar um abraço melhora, sim, o dia do seu filho

O gesto tem o poder de melhorar o humor depois de uma briga, segundo a ciência

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Abraçar alguém é uma das demonstrações afetivas mais carinhosas e íntimas que se pode ter em um relacionamento, seja ele familiar, amoroso ou de amizade. Um estudo feito pela Universidade do Estado do Arizona, nos Estados Unidos, comprovou que ganhar um abraço pode provocar diversos “efeitos colaterais” positivos e saudáveis, entre eles; diminuição do estresse, mau humor e aumento significativo da endorfina, proporcionando o hormônico do bem-estar e da felicidade.

Os pesquisadores do estudo entrevistaram 404 adultos, homens e mulheres, durante 14 noites. Eles perguntaram sobre possíveis conflitos entre os casais, e se na situação, os cônjuges tinham recebido abraço após a discussão – relatando o que haviam sentido, sensações positivas ou negativas.

Os resultados comprovaram que em todos os casos, mas principalmente nos de discussões familiares, receber um abraço aumenta os sentimentos positivos e diminui drasticamente os negativos, o que torna a reconciliação mais fácil. Legal né?

Então fica a dica, o melhor remédio para superar uma discussão e deixar o clima bom novamente é bem simples: ofereça ou aceite um abraço sincero!

Convivência familiar

O abraço pode ser muito importante na sua relação com o seu filho. Um estudo de 2012, publicado na revista Comprehensive Psychology, mostrou que as pessoas criadas por pais que gostam de abraçar estão mais propensos a reproduzir o comportamento na fase adulta, ou seja, a atitude passa de geração a geração. 

O gesto acaba sendo saudável também para gerar apego emocional. A ocitocina, substância liberada durante o abraço, está intimamente ligada ao parto e a amamentação (alô mães!), e tem um papel biológico na ligação entre a mãe e o bebê. Muito fofo!

Mas também existe uma terceira situação, que reflete o comportamento oposto, ou seja, crianças cercadas pela falta de toques físicos podem crescer com a necessidade de suprir essa carência e, portanto, são mais propensas a querer abraçar. Os fatores familiares são muito importantes e podem gerar um impacto duradouro na vida de alguém, dependendo do tipo de ambiente em que as pessoas foram criadas.

(Foto Divulgação)

(Foto Divulgação)

 Leia também:

Você já imaginou o poder do abraço para um prematuro?

“Abraço é uma necessidade humana”, afirma Anna Chiesa

Que amor! Menino distribui abraços em cachorros de rua