Saúde

Estudo mostra que mês de nascimento pode afetar a saúde do bebê no futuro

A pesquisa investigou 27 tipos de doenças crônicas

Isabella Zacharias

Isabella Zacharias ,Filha de Aldenisa e Carlos

Um novo estudo descobriu que o mês de nascimento pode ter influência na saúde (Foto: iStock)

Um novo estudo feito na Espanha descobriu que o mês de nascimento pode ter influência na saúde. Os cientistas usaram os meses para investigar 27 tipos de doenças crônicas e a conclusão deixou todo mundo surpreso: a época do nascimento tem uma grande influência nas condições de saúde.

As pesquisas indicaram que os meninos que nasceram em setembro tem chances maiores de terem problemas de tireoide, comparando com aqueles que nasceram em janeiro. Os meninos que nasceram em agosto tiveram o dobro de risco de ter asma, comparando com os que nasceram no início do ano.

Ao analisar as meninas, os pesquisadores concluíram que aquelas que nasceram no mês de julho tinham 27% de chance de terem hipertensão arterial e 40% de probabilidade de terem incontinência urinária. O estudo também concluiu que alguns meses têm efeito de proteção de saúde: os meninos que nasceram em julho tem 34% de chance de não terem depressão e 22% de chance de não terem dores nas costas.

Porém, ao analisar meninos que nasceram entre maio e dezembro, os cientistas descobriram que existem fortes chances de desenvolver depressão e ansiedade. Meninas que nasceram em junho têm 33% menos de chance de desenvolverem crise de enxaquecas. O estudo também concluiu que pessoas que nasceram em setembro tem chances menores de serem diagnosticados com doenças crônicas.

De acordo com o estudo, isso acontece porque os aspectos de saúde estão diretamente relacionados com a estação do ano que a pessoa nasce. Dependendo do período, exposição aos raios solares, vitamina D e temperatura podem afetar na saúde do bebê. Porém, é preciso lembrar que o estudo mostrou apenas hipóteses relacionando os meses e as condições de saúde. Os cientistas reforçaram que fatores como genética e alimentação também devem ser levados em consideração.

Leia também:

Estudo prova que mães passam mais de 1.400 horas preocupadas com a saúde dos filhos

Estudo comprova que sentimentos dos pais causam impacto na vida dos filhos

Estudo mostra que os pais de hoje passam mais tempo com os filhos