Gravidez

Gravidez: 4 dicas para saber quando a dor nas costas é um problema

A ocorrência é comum na vida das futuras mães, mas com frequência pode ser sinal de complicações maiores

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

 

Dores nas costas com muita frequência pode ser sinal de problemas maiores (Foto: GettyImages)

A dor nas costas é frequentemente um fato na vida das grávidas. Embora a dor seja uma fonte de sofrimento, geralmente não é um sinal de qualquer perigo para a mãe ou bebê, porém alguns casos são importantes para serem verificados. E nós sabemos que há muito o que se preocupar durante a gravidez, e por isso, não pirem!

Por isso, é importante que as mulheres recorram aos médicos quando tiverem dores nas costas. “É para isso que seu obstetra está presente. Se você tiver alguma dúvida, ligue para ela. No mínimo, você pode obter algumas dicas sobre como aliviar sua dor”, disse Mary Rosser ginecologista do Montefiore Medical Center. “Não espere até que a dor seja tão grave que você não possa fazer nada. A dor leve a moderada que limita a função ou atividade vale a pena tratar e as dores mais fortes podem levar a doença crônica”, explicou Dr. Fitzgerald. E então, listamos quatros momentos que você precisa ter um cuidado redobrado.

1.) Quando há sangramento vaginal ou aperto uterino

Às vezes, a dor nas costas é uma bandeira vermelha de que algo sério está acontecendo, como por exemplo dores fortes que podem ser sinal de um trabalho de parto prematuro. O Dr. Rosser explicou que se a grávida tem dores semelhantes a contrações uterinas, junto com sangramento vaginal ou qualquer alteração no corrimento, deve consultar um médico pois pode ser sinal de problema na placenta ou uma ruptura prematura.

De acordo com o Dr. Damla Karsan, ginecologista do Texas Children’s Pavilion foi Women, dores na parte abdominal com a sensação de “aperto de útero” junto com dores nas costas, possivelmente, está acontecendo um trabalho de parto prematuro. “Se a dor nas costas for severa e não for aliviada com remédios para repouso e dor, ela deve entrar em contato com seu médico”, aconselha o médico.

2.) Quando há febre e dor desagradável

A febre, quando acompanhada de uma dor forte na parte inferior ou nas laterais das costas, entre as costelas e os quadris, pode ser sinal de infecção no rim ou na bexiga, o que requer atenção imediata e tratamento com antibióticos. Porém, tenha em mente que à medida que a gravidez avança, o útero cresce e pressiona a bexiga, por isso a vontade de fazer xixi aumenta o que é comum e normal, mas se esses sintomas também incluem dor ao urinar, sangue na urina, calafrios ou febre, é sinal de problemas renais. E em alguns casos, as infecções na bexiga causam contrações no útero, o que faz com que tenha um trabalho de parto prematuro. Por isso, nesses casos é necessário ter diagnóstico de médico especialista.

3.) Quando há dormência 

Mesmo que a causa da dormência geralmente não seja uma condição mais preocupante, como o trabalho de parto prematuro, pode significar compressão do nervo ciático ou de outros nervos que conectam sua coluna à parte inferior do corpo e a área pélvica. A dor do nervo ciático é comum durante a gravidez, e você pode encontrar alívio trabalhando com quiroprático ou fisioterapeuta para melhorar o local deixando o oxigênio fluir livremente, porém se você sentir dormência, formigamento ou dor aguda nas nádegas, pernas ou pés, é necessário se certificar com o médico para que não ocorra problemas mais graves.

4.) Quando você experimenta dor esporádica

A dor nas costas que surge repentina e gravemente e sem uma causa aparente, deve ser examinada para descartar as condições raras, como osteoporose e artrite associadas à gravidez. Além disso, se você se sentir dores nas costas após um trauma físico, como uma queda ou um acidente de carro, entre em contato com o médico imediatamente para descartar qualquer lesão grave a si mesmo ou ao bebê.

Leia também: 

Estudo comprova que o segundo filho é o mais arteiro de todos

Estudo mostra porque mais da metade dos pais não se sente preparado para adotar uma criança

Estudo comprova que o sono dos pais só volta ao normal após 6 anos do nascimento do filho