Saúde

O inverno chegou e seu filho ficou doente. E agora?

Já se perguntou por quê isso acontece durante essa época do ano? Descubra como manter sua família protegida!

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

close-up-of-baby-looking-at-camera-with-blue-eyes-picture-id178448822

(Foto: iStock)

As crianças chegam a ter de 8 a 11 infecções virais por ano. Isso significa que, praticamente todo mês, seu ­filho pode ter uma doença. E pense que até os 4 ou 5 anos de idade, o sistema imunológico dele ainda está em formação e o os vírus ganham força durante o inverno, porque quanto mais gente doente, mais ele circula. De acordo com o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), essas doenças estão entre as principais causas de internação no Brasil, afetam mais de 1 milhão de pessoas, todo ano. Por isso, todo cuidado é pouco.

Mas, calma! de acordo com a otorrinolaringologista maura neves, do hospital universitário da universidade de são Paulo (USP), ­filha de Manuel e Maria lúcia, é possível, sim, passar bem longe das doenças comuns desta época do ano. “São três atitudes que fazem toda a diferença: vacina, alimentação saudável e lavagem nasal com soro­ fisiológico diária”, explica. Funciona! O hábito de lavar o nariz das crianças, mesmo depois de crescidas, ajuda a prevenir doenças respiratórias. A especialista recomenda que você faça isso com seu filho, ao menos duas vezes por dia; de manhã, antes de ir para a escola e à noite, antes do banho (mesmo que não tenha sintoma nenhum dando pinta). Agora, quando ele estiver doente, pode abusar! a lavagem pode ser feita até quatro vezes no dia.

Dê valor ao que você coloca no prato

A alimentação saudável mantém a imunidade do organismo lá em cima. Para Marina Almeida, pneumologista, coordenadora de pneumopediatria da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Pediatria, mãe de Pedro e Andrea, o primeiro passo para as crianças pequenas é estimular o aleitamento materno.

Já para aquelas que estão passando pela fase da introdução alimentar (ou maiores), uma dica é ter rotina alimentar com horários ­fixos para cada refeição. “Além de organizar a agenda da alimentação é importante seu ­filho ter horário para dormir e evitar exposição a aparelhos digitais antes de ir para a cama”, aconselha a pneumologista. A luminosidade da tela do celular, por exemplo, pode despertar a criança ou causar uma pior qualidade de sono. Frutas e alimentos naturais são indispensáveis. E guarde este conselho: prefira sempre água ao suco. Segundo Marina, oferecer suco é como injetar o açúcar direto na corrente sanguínea da criança, ainda mais acompanhado da fruta que já acrescenta glicose ao organismo do seu filho.

No time da vacina

A nossa terceira dica é vacinar SEMPRE. Não dá para fugir da vacina. Na contramão desse pensamento, vêm pais que encaram com descon­fiança as vacinas dadas nos primeiros meses de vida do bebê e optam por não dar. Mas nós temos argumentos para convencer você do contrário: o Programa Nacional de Imunizações praticamente eliminou o sarampo da lista de doenças infantis. De acordo o Ministério da Saúde, a cobertura de vacinação consegue chegar a 95% dos brasileiros em todo território do país. “Ainda não temos aquele raciocínio de que a vacina é importante para toda a família”, comenta Marcelo Otsuka, infectologista e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, pai de pai de Marcelo e Murilo.

Não precisa ter medo: a vacina não provoca doença!

Entendemos você ­ficar preocupado com a criança, já que existem alguns casos de reações à vacina. Mas vamos sempre bater nesta tecla: a melhor opção é vacinar. Prova disso é um exemplo citado pelo especialista. No ano passado, houve maior incidência de mortalidade causada pelo H1N1, um subtipo do vírus Influenza, já que grande parte da população não tomou a vacina. É importante você tomar todas as precauções necessárias, cuidando para que a saúde do seu ­filho se mantenha firme no dia a dia

Leia também

Sem espirros: Conheça animais de estimação para crianças alérgicas

O inverno está acabando e a catapora pode chegar; fique de olho

Gripe e resfriado: aprenda a diferenciar