Saúde

Pediatras dão 8 dicas que vão fazer você repensar a forma como está cuidando do seu filho

Os especialistas compartilharam com a gente os estudos mais confiáveis que esclarecem dúvidas sobre saúde e educação infantil

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

Pedimos para que os principais pediatras e editores de revistas médicas compartilhassem os estudos recentes que ainda estão em andamento, mas que os pais devem saber (Foto: Getty Images)

A pesquisa médica domina as notícias e é difícil saber quais resultados merecem sua atenção. Não era possível alguém selecionar uma folha de dicas sobre os estudos de especialistas que realmente importam? Nós fizemos isso. Em um mundo em que as notícias circulam a todo instante, manter-se atualizada sobre a saúde e o desenvolvimento infantil pode ser uma tarefa difícil. Para falar a verdade, às vezes é uma vitória até quando você consegue arrumar um tempo para usar fio dental. Além disso, é impossível decidir qual estudo você deve confiar.  

Para impedir que você caia em notícias falsas, pedimos para que os principais pediatras e editores de revistas médicas compartilhassem os estudos recentes que ainda estão em andamento, mas que os pais devem saber: 

Probióticos podem acalmar as cólicas

A pesquisa: uma grande revisão de estudos descobriu que dar diariamente gotas do probiótico Lactobacillus Reuteri para o seu bebê reduz significativamente o choro e agitação por conta das cólicas que são causadas pela amamentação. 

Por que é o estudo importante: “O microbioma – uma mistura de bactérias boas e ruins que vivem em nosso intestino – é uma área interessante de pesquisa”, explica Alex Kemper, professor de pediatria na Nationwide Children’s Hospital, em Columbus, Ohio, e vice editor de pediatria. Probióticos contêm microrganismos iguais ou semelhante às bactérias benéficas que estão presentes no nosso organismo. 

Embora algumas pesquisas tenham sugerido que probióticos podem ser úteis para

tudo, desde proteger prematuros de infecções intestinais graves a evitar eczema em crianças mais velhas, estudos não encontraram um benefício claro. Se você quiser tentar dar o probiótico para o seu filho, converse com o seu pediatra para que ele possa te orientar de forma mais precisa. 

As palmadas deixam um dano duradouro

A pesquisa: Em uma revisão de pesquisa em American Psychologist, um painel dos principais especialistas concluíram que bater no seu filho não fará com que o comportamento dele melhore. Além disso, crianças que apanham são mais propensas a se tornarem adultos que usem drogas, tenham problemas com a bebida e cometam suicídio, em comparação com aqueles que não foram espancados.

Por que o estudo é importante: Bater na criança quando ela se comporta mal ainda é uma coisa surpreendentemente comum. Uma estimativa constatou que 80% dos pais faz isso de vez em quando. Em vez de bater, tente orientar o comportamento do seu filho de forma que vocês criem um vínculo.

A dor das meninas é levada menos a sério do que a dos meninos

A pesquisa: Adultos assistiram o mesmo vídeo de uma criança chateada. O sexo da criança não ficou claro no vídeo, mas aqueles que pensaram que a criança era um menino classificaram que ele ficou mais triste do que aqueles que acreditavam ter visto uma menina. 

Por que o estudo é importante: Pesquisas anteriores descobriram que os médicos frequentemente tratam a dor de mulheres adultas de maneira diferente dos homens. Embora preliminar, o estudo sugere que essa disparidade pode começar muito cedo. 

Ações dos pais pode facilitar ou ativar um ansiedade da criança

A pesquisa: Mais de 100 crianças de 7 a 14 anos com transtornos de ansiedade foram para uma terapia comportamental cognitiva para ajudá-los a aprender a desafiar seus pensamentos preocupados. Enquanto isso, os pais delas estavam sendo treinados em sessões semanais de aconselhamento sobre estratégias para reagir à ansiedade da criança. Tratar os pais foi tão eficaz na redução dos níveis de ansiedade das crianças quanto um tratamento diretamente para as crianças, de acordo com o estudo no Journal of the American Academy of Child & Psiquiatria do Adolescente.

Por que o estudo é importante: Um em cada três crianças experimentarão uma ansiedade clinicamente significativa antes da idade adulta. Enquanto terapia e medicação são tratamentos muito eficazes, este estudo mostra que os pais podem ajudar muito. 

Falar com você é o que constrói as habilidades de linguagem do seu filho

A pesquisa: Cientistas cognitivos da MIT testaram e gravaram as habilidades verbais das crianças entre 4 e 6 anos de idade e analisaram como as crianças e seus os pais conversavam entre si em casa. A maioria do vocabulário das crianças foi construído por conta das conversas que ela teve com os pais e não daquilo que ela escutou. 

Por que é importante: Já se acreditava que as crianças aprendem a falar apenas por ouvir muito disso, diz Jennifer Lansford, professora de pesquisa na Escola de Políticas Públicas de Sanford na Duke University. Este estudo faz parte de um conjunto de evidências que sugere que essa boa conversa antiga com o seu filho na verdade é mais importante. 

Crianças mais novas na sala da escola são mais prováveis de serem diagnosticadas com TDAH

A pesquisa: Muitos estados têm um ponto de corte de data de nascimento de 1 de setembro para as crianças entrarem no jardim de infância. Isso significa que aqueles que nasceram em agosto, logo antes do ponto de corte, podem ser quase um ano mais novos do que colegas que fazem aniversário em setembro. Um estudo do Journal Medicina da Nova Inglaterra mostrou que mais de 400.000 crianças que fazem aniversário em agosto foram diagnosticados e tratados com TDAH a taxas mais altas do que seus colegas nascido em setembro.

Por que o estudo é importante: As taxas de TDAH subiram nas últimas décadas e especialistas não sabem se essa tendência é parcialmente devido ao sobrediagnóstico. A condição frequentemente primeiro se torna aparente quando as crianças entram na escola e seu comportamento é observado em relação aos seus pares. Ter 6 ao em vez de 5 anos pode fazer uma grande diferença quando se trata de ser capaz de sentar-se em silêncio, por exemplo. 

A vacina contra o HPV traz benefícios claros

A pesquisa: O papilomavírus humano (HPV) é uma infecção sexualmente transmissível que pode causar verrugas genitais, bem como câncer cervical, peniano e outros. Um estudo em pediatria por pesquisadores da Universidade de Cincinnati acompanhou 1.600 adolescentes e jovens ao longo de um década e descobriu que aqueles que estavam vacinados tiveram uma taxa 81% menor de infecção por HPV.

Por que o estudo é importante: O HPV existe há 13 anos, mas muitos os pais permanecem desconfiados de que é uma doença nova, ou seja, não querem que o filho seja uma “cobaia” da vacina. Embora a vacinação seja recomendado para idades de meninas e meninos de 11 a 12 anos (e a partir dos 9 anos), apenas 43% dos adolescentes foram totalmente vacinados. 

Além dessas pesquisas, separamos mais algumas que você precisa saber:

  • De acordo com um estudo da Universidade Estadual de Washington, quando mães e filhos completaram uma tarefa frustrante de Lego juntos, as crianças ficavam mais otimistas quando a mãe expressava as próprias emoções negativas sobre a tarefa de uma maneira saudável ao invés de tentar escondê-las.
  • Crianças que cresceram ouvindo música junto com os pais relataram melhores relacionamentos quando chegaram na idade adulta, de acordo com um estudo publicado no Journal of Comunicação familiar.
  • Um estudo da Universidade de Copenhague mostrou que meninas de 7 a 8 anos preferiram seus alimentos separados em vez de misturados, mas os meninos não se importavam. 
  • Uma pesquisa da Universidade de Michigan descobriu que pais e crianças conversaram e interagiram mais quando eles leram um livro impresso juntos em vez do que um livro online. Ao ler de uma tela, os pais eram menos prováveis para fazer perguntas ou fazer comentários sobre o enredo.

Leia também:

Pediatras americanos criam dez regras para educar crianças sem agressões

Revelação: pais pediatras contam 10 segredos sobre cuidados com os filhos

6 coisas que o pediatra desejaria que você soubesse sobre os primeiros dias do bebê