Saúde

Saiba como evitar os enjoos do seu filho em qualquer viagem

Conheça as principais causas e aprenda como aliviar o problema

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

Viajar com crianças nunca é uma tarefa fácil. Além da correria, é preciso ficar de olho nos filhos, que podem se sentir mal durantes viagens de carro, ônibus, avião ou barco. Calafrios, tontura e enjoos são as queixas mais frequentes entre as famílias. “Essa reação do sistema nervoso central se chama cinetose, também conhecida como enjoo do movimento, e pode atingir adultos e crianças”, explica o nosso pediatra Dr. Claudio Len, pai de Beatriz, Silvia e Fernando. A cinetose pode acontecer em resposta ao movimento real, mas também pode se manifestar com o movimento virtual — quando é o campo visual que se move dando uma falsa sensação de movimento.

“É uma predisposição de herança genética, algumas crianças são mais predispostas que outras. Ele pode persistir na vida adulta e tem associação direta e frequente com enxaqueca. Mas não é uma doença, e sim um fenômeno, uma tendência à resposta fisiológica mais forte aos estímulos de movimento”, explica a médica otorrinolaringologista Jeanne Oiticica, especialista em Otoneurologia (que trata zumbido, tontura e surdez).

Algumas medidas simples podem diminuir a frequência e a intensidade dos enjoos:

– garanta que a alimentação do seu filho antes da viagem seja leve e que ele coma menos. Assim, o enjoo pode ser menos desconfortável e, em caso de vômitos, o volume é menor

– posicione o seu filho sentado para a frente, de preferência no assento do meio do banco de trás, porque ver as coisas se movendo pode contribuir para o enjoo

– peça para ele fixar o olhar e focar em um objeto ou ao horizonte à sua frente e respirar profunda e lentamente

– evite o uso de tablets ou videogames, pelo mesmo motivo

– tente utilizar alguns medicamentos, como o dimenidrinato, que devem ser administrados cerca de uma hora antes da viagem. Neste caso, fale com o seu pediatra, que vai orientar o uso correto

Além disso, os especialistas recomendam fazer algumas paradas durante a viagem, especialmente nas mais longas. “Tente reduzir a velocidade nas curvas, sempre que possível. E evite ao máximo oferecer alimentos e bebidas dentro do carro, ao longo do trajeto”, recomenda Dr. Claudio.

No caso dos bebês, é possível perceber que seu filho tem enjoo ao viajar se ele manifesta alguns sintomas especificamente em situações de veículos em movimento, como carro, ônibus, barco e brinquedos de gira-gira. “Palidez, sudorese fria, apatia, hipotensão, bradicardia (redução da frequência cardíaca), náuseas e vômitos fazem parte dos sintomas. No caso da criança, esta pode referir ainda cefaleia e tontura”, indica Dra. Jeanne.

Para evitar os enjoos, também vale criar um ambiente com música relaxante durante a viagem, não fumar perto do seu filho e orientá-lo a respirar profunda e lentamente. “Fazer uma dieta proteica 30 minutos antes de entrar no veículo e reposição de vitamina C também podem ajudar”, aconselha Dra. Jeanne.

A cinetose pode desaparecer ao longo da infância, mas em muitos casos persiste até a vida adulta. Para evitar esses sintomas desagradáveis, é indicado o uso de medicamentos específicos, além de exercícios físicos conhecidos como reabilitação vestibular, que servem para fortalecer o ganho dos reflexos do labirinto, e algumas atitudes simples, como oferecer menos líquidos à criança antes e durante a viagem.

Leia também:

Viagem com as crianças: a carteirinha de vacinação está em dia?