Criança jogada pela madrasta do 4º andar de um prédio permanece internado e sem previsão de alta

Segundo o Hospital Geral do Estado (HGE), a criança arremessada do 4º andar de um prédio ainda permanece internada. A madrasta deu um relato sobre o caso

Resumo da Notícia

  • O Hospital Geral do Estado (HGE) disse que a criança permanece estável, porém, ainda não tem previsão de alta
  • Ela deu entrada no pronto-socorro com ferimentos no rosto e escoriações pelo corpo
  • O pai e a madrasta da vítima falaram sobre o caso

Segundo reportagem do g1, o estado de saúde do menino é considerado estável. No entanto, o Hospital Geral do Estado (HGE), confirmou na manhã desta terça-feira, 24 de maio, que a vítima continua internada e em observação. A criança deu entrada no pronto-socorro no hospital na madrugada desta segunda-feira, 23 de maio, com ferimentos no rosto e escoriações pelo corpo.

-Publicidade-

Durante relato à Polícia Civil, a madrasta da criança confessou o crime e afirmou que jogou a o enteado pela janela do apartamento durante uma briga com o marido. Segundo a mulher, ao longo da discussão, estavam dentro de casa os dois filhos dela, um de 12 e outro de 14 anos – mais o enteado, de 6 anos. Ela disse que atitou o caçula pela janela porque o marido a agrediu e ameaçou o filho dela.

“Ele ficou ameaçando o meu filho, dizendo ‘vou matar seu filho’, meu filho de 14 anos. A gente dentro de casa discutindo, ele deu um murro que quebrou os meus óculos, pegou na minha boca. Meu filho foi para cima dele dizendo ‘não tio, não tio, não faça isso não'”, disse a mulher em depoimento.

O pai da criança falou sobre o caso
O pai da criança falou sobre o caso (Foto: Reprodução / G1)

Já o pai do menino contou uma versão diferente: “A gente sempre brigava por causa de ciúmes, mas eu não imaginei que ela fosse capaz de fazer isso com o meu filho. A gente saiu para se divertir um pouco, bebeu. Eu subi para casa, dei banho nele, coloquei para deitar, tomei banho e fiquei aguardando ela subir, mas ela não subiu. Eu desci para ver se ela ainda estava por lá bebendo e a vi brigando com a própria colega”.

Ainda de acordo com o pai, a esposa ficou com raiva porque esperava receber apoio do marido, algo que não aconteceu: “A discussão foi entre elas. Ela ficou com raiva porque eu fiquei, praticamente, a favor da [outra] mulher. No momento que ela subiu, disse ‘vou matar ele agora’. Eu pensei que fosse comigo, mas não foi. Ela falou com o meu filho”, finalizou.