Família

Precisamos falar sobre a guarda do seu filho: e se ele quiser morar com o pai?

Nem sempre essa situação é fácil e, por isso, te ajudamos a lidar da melhor maneira com ela

Gabrielle Molento

Gabrielle Molento ,Filha de Claudia e Pedro

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Em uma separação, o mais comum é que a criança vá morar com a mãe. Mas e se você ouvisse: “quero morar na casa do meu pai”, o que faria? Como reagiria? Nem sempre essa situação é fácil e, por isso, te ajudamos a lidar da melhor maneira com ela.

De acordo com a pedagoga e coordenadora da pós-graduação em Educação Inclusiva do IBFE (Instituto Brasileiro de Formação de Educadores) e mãe da Valentina, Maibí Mascarenhas, é preciso, em primeiro lugar, agir com naturalidade. Por mais que o pedido te surpreenda, machuque ou gere qualquer outro sentimento negativo, é importante manter a calma. Em segundo lugar, junte as peças do quebra-cabeça para entender quais são as motivações do seu filho para propor a mudança.

“Além de perguntar para a criança os motivos, é importante analisar como está o relacionamento em casa. Ou seja, pensar em questões como: estamos nos dando bem em casa? Eu tenho passado tempo de qualidade com meu filho? Como está a relação dele com o pai? O que ele [a criança] tem mostrado esperar de cada um de nós [dos pais]? Tenho percebido algo a mais em jogo (interferência de outros familiares ou interesse por bens materiais, por exemplo)? A afinidade e o cuidado entre ambos é bastante fortalecida?”, indica a pedagoga. Depois de ter as respostas, é preciso saber lidar com a situação!

O que fazer

Estas respostas podem variar de caso para caso e dependendo da idade ou grau de maturidade de cada criança. A afinidade com os familiares também conta. Mas o que não muda e que é muito importante, é que você ouça seu filho de coração aberto, por mais que, eventualmente, se sinta magoada ou insegura.Tanto o pai, quanto a mãe são importantes na vida da criança e isso é a uma coisa a se ter em mente.

Quando seu filho manifestar esse desejo, respeite, ouça e busque entender o porquê da decisão. Essa conversa é importante para compreender se a vontade da criança tem motivos reais ou fantasiosos. Caso a conclusão seja de que o filho realmente deve morar com o pai, a dica pra mãe é que ela não sinta que sua relação está ameaçada.

Dependendo do caso, essa vontade de morar com o pai é, na verdade, um pedido de atenção, enquanto para outros é uma vontade sincera. Então, uma boa estratégia é, com toda a franqueza, conversar sobre a realidade familiar e esclar